Analisando a construção de explicações individuais e coletivas em

Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 7 Nº1 (2008)
Analisando a construção de explicações individuais e
coletivas em aulas sobre ligações iônicas, na 8a série
Adalcindo Rodrigues da Costa1, Jorgete Pereira Oliveira2 e José
Moysés Alves3
1
Núcleo Pedagógico Integrado e Programa de Pós-Graduação em Educação em
Ciências e Matemática. Universidade Federal do Pará (UFPA). E-mail:
[email protected]
2
Universidade Estadual da Bahia e Programa de Pós-Graduação em Teoria e
Pesquisa do Comportamento. Universidade Federal do Pará (UFPA). E-mail:
[email protected]
3
Faculdade de Psicologia. Universidade Federal do Pará (UFPA). E-mail:
[email protected]
Resumo: A análise das interações do professor com os alunos que
participam da aula é insuficiente para mostrar o que cada um dos alunos da
turma trouxe para a interação e como foi modificado por ela. O presente
artigo relata uma pesquisa realizada com uma turma de 8ª série do ensino
fundamental, em que os alunos tiveram oportunidades de observar e
explicar um fenômeno, de modo individual e coletivamente. Apresenta a
análise do percurso de duas alunas, mostrando que as explicações
individuais de ambas as alunas, inicialmente diferentes, foram modificadas
durantes as interações com os colegas e com o professor.
Palavras-chave: Ensino de ciências; trabalho em grupo; análise da
interatividade.
Title: Analyzing the construction of individual and collective explanations
in classes about ion-linkings, in elementary school eighth grade in Brazil
Abstract: The interaction analysis of the students who take part in the
class with the teacher is insufficient to show how each classroom student
contributes to the interaction and how he or she is affected by it. This article
reports some results of a research conducted in an elementary school
eighth grade class, in which the students could observe and explain a given
phenomenon, individually and collectively. The individual trajectory analysis
of two students showed that both individual explanations, initially different
from each other, were modified during the interaction with the teacher and
the colleagues.
Keywords: Science education, group work, interactivity analysis.
Introdução
Apesar do interesse crescente pelo papel das interações sociais na
construção de conhecimentos, ainda são poucas as pesquisas desta
natureza em aulas de química (Schnetzler, 2002). Não são muito
conhecidas as maneiras através das quais os professores dão suporte ao
processo de construção de significados em sala de aula (Mortimer e Scott,
86
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 7 Nº1 (2008)
2002). Também são pouco conhecidas as maneiras pelas quais os colegas
constroem conhecimentos coletivamente.
A escassez de pesquisas apontada deve-se, provavelmente, ao fato de
apenas recentemente as investigações sobre a interação professor-aluno
terem mudado de foco. Nas décadas de 1960 a 80, os pesquisadores
buscavam o estilo educacional mais eficaz. Levantavam comportamentos
específicos dos professores relacionados a rendimentos acadêmicos dos
alunos. Esta forma de investigação ficou conhecida como aproximação
processo-produto. Na década de 1990, a preocupação das pesquisas
mudou, centrando-se na análise dos processos interativos e nas formas
pelas quais, em diferentes situações, é possível ajustar a ajuda educacional
(Colomina, Onrubia e Rochera, 2004).
As pesquisas sobre interações entre alunos em sala de aula também
mudaram de foco, recentemente. Segundo Colomina e Onrubia (2004), este
assunto tem, atualmente, um enorme interesse teórico e prático. Nas
décadas de 1970 e 1980, os estudos compararam diferentes formas de
organização social nas aulas e constataram que a organização cooperativa
era mais eficaz para o rendimento acadêmico e para a socialização que a
organização competitiva e a individualista. Na década de 1990, verificou-se
que esta superioridade das situações cooperativas era variável e passou-se
a investigar os fatores e mecanismos responsáveis por essa variabilidade,
considerando “...os processos interativos propriamente ditos ocorridos
durante o trabalho em grupo.” (p. 282).
Tais mudanças de foco dos estudos da interação professor-alunos e entre
alunos aconteceram sob influência das perspectivas cognitivistas e
construtivistas. Sob este novo enfoque, a aprendizagem passou a ser vista
como um processo construtivo, interpessoal, sociocultural no qual
participam tanto fatores cognitivos quanto fatores situacionais e
contextuais. O ensino deixou de ser concebido como um processo de
transmissão de conhecimentos, reconhecendo-se sua natureza social,
lingüística e comunicativa. Neste processo, o professor passou a ter o papel
de estruturar e guiar a construção de significados que os alunos realizam
em um ambiente complexo de atividade e discurso, ajustando suas ajudas e
seus apoios em função de como os alunos realizam tal construção
(Colomina, Onrubia e Rochera, 2004).
A partir deste novo quadro de referência teórico, foram apontadas
limitações à maneira como a pesquisa era realizada, anteriormente. A
relação linear entre comportamentos do professor e aprendizagem dos
alunos não era sustentável desta perspectiva. Também não era aceitável a
apresentação do professor como um técnico que, para ser competente,
devia aplicar receitas. Além disso, essa abordagem não levava em conta os
processos intrapsicológicos, de natureza cognitiva, afetiva, emocional e
motivacional envolvidos na construção de significados. Uma compreensão
adequada de porque e como se ajusta a ajuda educacional à aprendizagem
exigia uma análise dinâmica da construção da atividade conjunta em cujo
interior se produz (ou não) tal aprendizagem (Colomina, Onrubia e Rochera,
2004).
O fato da mudança no referencial teórico ser recente também implica que
a cultura escolar teve pouco tempo para reelaborar os novos significados e
87
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 7 Nº1 (2008)
as práticas pedagógicas ainda não foram transformadas. Esta é uma outra
explicação para a escassez de pesquisas sobre a construção de
conhecimentos em aulas de química: as práticas pedagógicas tradicionais
dificultarem este tipo de investigação. Em nosso meio, a interlocução em
sala de aula é frequentemente centrada no professor e no conhecimento
científico escolar. São raras as oportunidades que os alunos têm para
explicitarem e debaterem as suas concepções particulares sobre os diversos
assuntos. Segundo Mortimer (1998), “não damos voz aos nossos alunos,
não escutamos como descrevem suas experiências e seu mundo em sua
linguagem cotidiana, às vezes irrefletida, lacunar. Tratamos esse
conhecimento com desprezo, como algo inferior, que não tem o direito de
cruzar os umbrais do saber de nossas salas de aula” (p. 108).
Entretanto, a linguagem é a nossa principal ferramenta cultural, que
usamos para transmitir e compartilhar experiências, dando-lhes sentido de
modo coletivo. Também é o principal meio através do qual representamos,
para nós mesmos, nossos próprios pensamentos. Além disso, Segundo
Mercer (1998) “... o discurso não é meramente a representação do
pensamento na linguagem: é mais uma maneira social de pensar” (p. 14).
O processo de ensino e aprendizagem de química, como das demais
disciplinas escolares, é um processo discursivo. Mesmo que a aula seja
expositiva e o professor não considere a perspectiva dos alunos, para que
ocorra aprendizagem é preciso que o aluno compreenda a fala do professor.
A compreensão, segundo Bakhtin (1997), é sempre um processo ativo. Um
processo em que o ouvinte, neste caso o aluno, contrapõe suas próprias
palavras às palavras do interlocutor, neste caso o professor. Apenas através
deste diálogo a aprendizagem pode acontecer.
Em geral, é difícil avaliar se este diálogo acontece nas salas de aula ou,
dito de outra forma, é difícil avaliar quais dos alunos acompanham o
raciocínio do professor e compreendem o que ele fala. A julgar pelas notas
baixas nos exames vestibulares e pelos índices de reprovação durante o
ensino médio, poucos alunos compreendem satisfatoriamente os conteúdos
de química.
As abordagens que se opõem ao ensino tradicional, caracterizado pelo
modelo de transmissão e recepção, têm enfatizado a necessidade de um
diálogo explícito entre as diferentes perspectivas culturais representadas na
sala de aula. Sendo o professor aquele que estrutura as interações na sala
de aula, cabe a ele implementar e favorecer o diálogo. Neste sentido, a
abordagem comunicativa do professor e o trabalho com pequenos grupos
constituem contextos que podem favorecer a ocorrência de formas
diferenciadas de interação. Só então é possível investigar a construção
coletiva de conhecimentos.
No ensino tradicional predomina, quando não é exclusiva, uma
abordagem comunicativa categorizada por Mortimer e Scott (2002) como
não interativa e de autoridade, ou seja, só o professor fala e só a
perspectiva do conhecimento científico escolar é valorizada. O professor
pode interagir com os alunos, mas continuar privilegiando a perspectiva do
conhecimento científico escolar. Neste caso sua abordagem é categorizada
como interativa de autoridade. Segundo os autores, a abordagem
comunicativa também pode ser interativa ou não interativa e dialógica,
88
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 7 Nº1 (2008)
quando outras perspectivas, além do conhecimento científico escolar têm
oportunidades iguais a esta de se manifestar. Os autores recomendam que
durante uma seqüência de ensino ocorram variações nas abordagens
comunicativas.
Monteiro e Teixeira (2004) apresentam categorias de argumentação
retórica, socrática e dialógica. Assim como aquelas apresentadas por
Mortimer e Scott (2002) estas categorias tanto podem servir de inspiração
para a atuação do professor, quanto para a análise de suas interações com
os alunos em aula. Apoiados em seus resultados, os autores também
recomendam o uso de diferentes recursos discursivos pelo professor para
favorecer a construção de argumentos por parte dos alunos.
Entre as estratégias recomendadas para possibilitar interações
diversificadas, não apenas do professor com os alunos, mas dos alunos
entre si, destaca-se o trabalho em grupo. Esta estratégia é defendida, entre
outros autores, por Piaget e Vygotsky.
Piaget (1935/1998) argumentava que a colaboração dos alunos entre si
era necessária dada a dificuldade do professor em se fazer compreender ou
transmitir diretamente os conteúdos. Segundo o autor, o sujeito é ativo,
mas o pensamento racional não está pré-formado. A lógica nasce da
discussão com os outros. A formação da personalidade, tanto no sentido de
tomada de consciência do eu, quanto no sentido de situar-se entre
diferentes perspectivas, é resultante do atrito com os outros, da oposição
de vontades e opiniões, da discussão, dos conflitos e da compreensão
mútua. Ele argumentava que o trabalho em grupo favorecia a autonomia
moral e intelectual do sujeito.
Vygotsky (1934/1993) também argumentava que o ensino direto de
definições verbais de conceitos se mostraria infrutífero. Ele entendia que o
desenvolvimento dos conceitos científicos só poderia acontecer na interação
com os conceitos cotidianos. Também defendia a tese de que a reflexão
individual se originava da discussão com os outros, argumentando que os
progressos na generalização dependiam da comunicação com os outros e
esta, por sua vez, dependia dos avanços da generalização.
Em colaboração com o outro, o indivíduo consegue fazer mais do que
aquilo que ele pode fazer sozinho. Este nível de desenvolvimento potencial,
alcançado nas interações com adultos ou parceiros mais capazes, faz
avançar o nível de desenvolvimento real, caracterizado pelos problemas que
o sujeito consegue solucionar de forma independente. À distância entre os
dois níveis, Vygotsky (1934/1993) chamou de zona de desenvolvimento
proximal. O conceito de zona de desenvolvimento proximal tem implicações
importantes para o trabalho em grupo e para a maneira de tratar a
heterogeneidade em sala de aula.
Tudge (1996), entretanto, argumenta que existem circunstâncias em que
a interação com o outro pode resultar em regressão no desenvolvimento.
Apoiado nos resultados de suas pesquisas com duplas de crianças
resolvendo tarefas piagetianas, ele afirma que “... as crianças
provavelmente regredirão em suas formas de raciocínio quando defrontadas
com parceiros menos competentes, quando não confiam em seus próprios
pontos de vista e quando não lhes é fornecido feedback.” (p. 163).
89
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 7 Nº1 (2008)
Apesar da importância da participação do professor na estruturação dos
grupos e no monitoramento de suas atividades, ainda conhecemos pouco
sobre os critérios usados para estruturar os grupos e sobre a influência
destes direcionamentos para a interação entre os parceiros.
Zabala (1998) recomenda variar a configuração e o grau de
homogeneidade dos grupos. Segundo o autor, existem vantagens em
trabalhar tanto com grupos de alunos com características semelhantes
quanto com grupos que apresentem características diferentes.
Colomina e Onrubia (2004), também recomendam diversificar os tipos de
agrupamentos empregados em diversos momentos. Eles consideram que
não existem formas ótimas, válidas para todos os alunos em todas as
situações.
O trabalho coletivo não pode ser valorizado em detrimento da elaboração
individual. Segundo Zabala (1998), “... a aprendizagem por mais que se
apóie num processo interpessoal e compartilhado, é sempre, em última
instância, uma apropriação pessoal, uma questão individual” (p. 127)
Segundo o autor, o trabalho individual é especialmente útil para a
memorização de fatos e conceitos.
Da mesma forma que a implementação do diálogo em sala de aula, a
adoção de formas de avaliação dinâmicas favorecem o estudo da construção
de conhecimentos nas interações sociais.
A avaliação educacional tradicional é um processo em que os alunos são
testados individualmente sobre aquilo que eles conseguem fazer de forma
independente. Ela tem se prestado apenas para selecionar e classificar os
alunos. Lunt (1995) caracteriza esta forma de avaliação como uma
avaliação estática, que não examina as potencialidades dos alunos. Uma
avaliação dinâmica, leva em conta a participação do outro no
desenvolvimento individual e traz informações para o aperfeiçoamento do
processo ensino, enquanto ele está acontecendo.
A análise do desempenho individual antes e depois de um período de
instrução, por um lado, não é suficiente para esclarecer como o ensino
exerce a sua influência no desenvolvimento do aluno. Por outro lado, como
o nível de participação individual na aula é bastante diferenciado, a análise
das interações dos alunos que participam da aula é insuficiente para
mostrar o que cada um dos alunos da turma trouxe para a interação e como
foi modificado por ela.
Neste sentido, o presente estudo objetivou analisar a construção
individual e coletiva de explicações sobre ligações iônicas, em uma 8ª. série
do ensino fundamental. A análise considerou a contribuição das interações
com o professor e com os colegas para a modificação dos conhecimentos
prévios trazidos pelos alunos.
O cenário e as ferramentas da investigação
A coleta de informações para a presente pesquisa foi realizada no Núcleo
Pedagógico Integrado da Universidade Federal do Pará (NPI/UFPA). O NPI
atende os níveis de Ensino Fundamental e Ensino Médio, nos turnos
matutino e vespertino. A Educação de Jovens e Adultos e o Curso de
90
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 7 Nº1 (2008)
Magistério Habilitação em Educação Infantil funcionam à noite. O NPI/UFPA
foi criado em 1976, para oferecer escolaridade aos filhos de professores e
funcionários da UFPA e, também, para servir como campo de prática de
ensino e estágio para os estudantes da referida universidade. Atualmente, o
NPI também recebe alunos da comunidade extra-universitária. O NPI/UFPA
é uma das maiores escolas de aplicação do Brasil. Segundo os dados do
relatório anual de 2004, a escola tinha 221 professores, 78 servidores e
2120 alunos.
O primeiro autor deste trabalho é professor do NPI/UFPA e leciona a
disciplina Ciências para a 8ª série do Ensino Fundamental. Intrigado com o
desenvolvimento da construção da linguagem da Química, resolveu
investigar o processo de ensino-aprendizagem, com os alunos de uma de
suas turmas. Para tanto, contou com a orientação e co-orientação do
terceiro autor e da segunda autora, respectivamente. A investigação
ocorreu durante os meses de setembro e outubro de 2004, duas vezes por
semana.
A turma pesquisada era composta de 29 alunos adolescentes com idades
variando entre 13 e 15 anos, sendo 12 alunos do sexo masculino e 17 do
sexo feminino. O nível sócio-econômico dos alunos era bastante
diferenciado.
Durante o período da coleta de informações na escola, as aulas foram
(re)planejadas e avaliadas pelos autores do presente artigo. Nas reuniões
de (re)planejamento, a equipe decidiu que o conteúdo deveria ser
trabalhado a partir de questões contextualizadas, para as quais os alunos
pudessem formular respostas com base em suas experiências anteriores,
garantido, desta forma, as interações dialógicas nas aulas de ciências. Em
vez de começar o estudo com os elementos químicos, a equipe considerou
interessante partir da observação das substâncias (e de suas propriedades).
Planejou o estudo das ligações químicas – iônica, molecular e metálica - a
partir de uma situação concreta específica: água (destilada), cloreto de
sódio (sal de cozinha) e alumínio (quentinha). Com o intuito de realizar uma
experimentação de fácil observação para toda a turma, utilizando aparatos
simples, decidiu que os alunos observariam a propriedade específica da
condução da corrente elétrica naquelas substâncias. A distinção entre
substâncias condutoras e não-condutoras da corrente elétrica é importante
na classificação das substâncias iônicas (forma sólida – não conduz, líquida
– conduz), moleculares (forma sólida – não conduz, líquida – não conduz) e
metálica (forma sólida – conduz, líquida – conduz).
Antes de realizar a demonstração experimental, tentando relacionar o
conteúdo escolar com as experiências cotidianas dos alunos, o professor
conversou com eles fazendo perguntas do tipo: “Você já levou choque
elétrico? Onde foi? Em que situações as pessoas tomam choque elétrico?
Toda substância conduz a corrente elétrica? As soluções aquosas conduzem
a corrente elétrica? Por que certas substâncias conduzem a corrente
elétrica?” Depois, o professor realizou a demonstração experimental e, em
seguida, os alunos tiveram oportunidades de formular explicações para os
fatos observados em cinco momentos diferentes: individualmente; em
grupos formados espontaneamente; em grupos recombinados; com a turma
toda e, novamente, cada um formulou a sua resposta individual.
91
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 7 Nº1 (2008)
O planejamento da unidade didática previa que, a partir da compreensão
das ligações iônicas, moleculares e metálicas, nestas substâncias específicas
da demonstração experimental, os alunos pudessem, trabalhando com um
jogo de combinações de elementos químicos pela sua distribuição
eletrônica, generalizar o conceito de ligação química, diferenciando as
ligações iônicas, moleculares e metálicas. No decorrer das aulas,
entretanto, depois que os grupos espontâneos se reuniram e formularam
suas explicações para os três sistemas observados, a equipe decidiu que os
alunos deviam focalizar a explicação da diferença da condução da corrente
elétrica no sal sólido e no sal misturado com a água. Entendeu que seria
mais fácil eles compreenderem, primeiro, uma ligação iônica para depois
diferenciá-la de outra, molecular, e depois de outra, metálica. No presente
artigo, são analisadas as aulas em que os alunos construíram, individual e
coletivamente, explicações para a diferença na condutividade da corrente
elétrica do cloreto de sódio no estado sólido e no estado líquido.
A coleta de informações
Foram realizadas seis aulas sobre o tema das ligações químicas. Todas as
aulas foram registradas em vídeo e em áudio, com o auxílio de uma
filmadora e três pequenos gravadores cassete, que foram distribuídos
quando os alunos se organizaram em grupos. Também foram coletadas as
respostas escritas individuais e dos grupos de alunos, em quatro dessas
aulas.
Na primeira aula, depois de uma discussão com a turma sobre situações
em que os alunos já tinham levado choques elétricos, o professor
demonstrou a condução da corrente elétrica nos sistemas água destilada,
cloreto de sódio e alumínio. Depois, motivou os alunos para dialogarem
sobre as hipóteses que eles tinham em relação à condução da corrente
elétrica nesses sistemas. Em seguida, os alunos anotaram uma pergunta
para responder em casa: “quais os sistemas que conduzem e quais os que
não conduzem a corrente elétrica?”
Na segunda aula, o professor dividiu a turma em cinco grupos com, no
máximo, sete alunos. A escolha dos participantes de cada grupo foi feita
pelos próprios alunos de acordo com suas afinidades. Durante a aula, os
alunos discutiram nos grupos suas explicações para a condução ou não da
corrente elétrica nas substâncias água pura, sal e alumínio. Após o debate
em grupo, cada aluno redigiu uma explicação para o fato da condução ou
não da corrente elétrica nas substâncias água pura (destilada), cloreto de
sódio e alumínio, na forma sólida e na forma líquida.
Na terceira aula os alunos organizaram-se nos mesmos cinco grupos
formados, espontaneamente, na aula anterior. Neste momento, cada aluno
apresentou sua resposta escrita individual, debatendo com seus colegas a
construção de uma resposta do grupo, para os sistemas em estudo. O
professor deu atenção para cada um dos grupos, checando o entendimento
dos alunos, confrontando seus pontos de vista e incentivando-os a
produzirem uma resposta escrita consensual.
Para a quarta aula, foram organizados quatro grupos. Os grupos foram
recombinados de acordo com dois critérios. Primeiro, tentando garantir que
92
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 7 Nº1 (2008)
todas as opiniões diferentes, formadas anteriormente, estivessem
representadas em cada grupo. Segundo, juntando pelo menos dois alunos
que haviam demonstrado boa iniciativa para o diálogo, sendo oriundos de
dois grupos diferentes. Metade dos alunos ficou no Laboratório 2 e metade
no Laboratório 3, separados por uma porta, para minimizar a interferência
do ruído resultante dos debates. Um grupo foi registrado com uma
filmadora e três com gravadores. O grupo filmado foi escolhido
aleatoriamente. Nessa aula, os alunos debateram uma resposta para a
seguinte pergunta: por que o sal não conduz a corrente elétrica quando
está no estado sólido e conduz quando está misturado com a água? Da
mesma forma que na aula anterior, o professor deu atenção para cada um
dos grupos, checando o entendimento dos alunos, confrontando seus
pontos de vista e incentivando-os a produzirem uma resposta escrita
consensual. Mas desta vez ele já introduziu alguns significados novos nas
discussões. Explicou para alguns alunos, por exemplo, que o sal sólido não
conduzia a eletricidade, pois os íons sódio (carga elétrica positiva) e cloreto
(carga elétrica negativa), quando ligados se neutralizavam. Só quando
dissolvidos na água, com a dissociação iônica, os íons positivos e negativos
ficavam “livres”, com mobilidade na solução, e portanto podiam conduzir a
corrente elétrica.
Na quinta aula, os alunos, organizados nos mesmos grupos recombinados
da aula anterior, tiveram dez minutos para preparar a apresentação de suas
explicações para a turma toda. Em seguida, os alunos do mesmo grupo
recombinado sentaram um ao lado do outro, em carteiras arrumadas no
formato da letra “U” de frente para o quadro branco. Cada grupo
apresentou para a turma toda suas respostas para a questão: “por que o sal
não conduz a corrente elétrica quando está no estado sólido e conduz
quando está misturado com a água?” Ao final de cada apresentação, a
turma debateu as hipóteses levantadas e o professor também participou
dessas discussões, tentando garantir que os alunos se aproximassem da
explicação para o referido fenômeno aceita pelo conhecimento científico
escolar. Neste dia, não houve tempo para a apresentação de um dos grupos
recombinados, ficando sua apresentação para a próxima aula.
Na sexta aula, o último grupo recombinado apresentou sua resposta e
discutiu com a turma toda. Após a apresentação do grupo, o professor
pediu que os alunos sentassem nas carteiras enfileiradas para responder
individualmente e por escrito a mesma pergunta.
A análise dos dados
Foram analisadas, em primeiro lugar, as respostas escritas de cada aluno
e de cada grupo, nos diferentes momentos. Em segundo lugar, foram
transcritas as gravações e analisados os diálogos nos grupos.
A resposta escrita inicial e final de cada aluno, bem como as dos grupos
espontâneo e recombinado do qual ele participou foram comparadas. As
respostas escritas foram comparadas em seu conteúdo, e categorizadas
como descrições, explicações ou generalizações, de natureza empírica ou
teórica (Mortimer e Scott, 2002). A cada momento, verificou-se se novos
elementos foram acrescentados, reformulados ou subtraídos da resposta.
93
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 7 Nº1 (2008)
Após a análise das respostas escritas, identificadas as mudanças no
conteúdo, investigou-se, nas transcrições dos diálogos que ocorreram em
sala de aula, as contribuições do professor e as dos colegas para tais
mudanças, bem como a forma como elas foram construídas
microgeneticamente nas interações sociais. Para a análise das transcrições
dos diálogos dos grupos, utilizamos a ferramenta analítica proposta por
Mortimer e Scott (2002).
Na dissertação de mestrado que deu origem ao presente artigo, Costa
(2005) analisou as respostas escritas e as discussões de todos os sete
alunos que participaram de um dos grupos recombinados. Por falta de
espaço, no presente artigo, apresentamos a análise pormenorizada das
respostas e dos diálogos ocorridos durante as aulas entre duas alunas, que
denominamos A16 e A20. Elas foram as alunas que mais participaram no
referido grupo.
Análise das respostas escritas
A seguir vamos ilustrar os percursos das alunas A16 e A20, comentando
suas respostas escritas e mostrar como suas concepções se modificaram a
partir de suas interações e das interações com o professor e os colegas.
A aluna A16
A aluna A16 apresentou sua resposta individual ‘inicial, com uma
explicação que incorporava termos teóricos pertinentes, mas sem domínio
conceitual.
A16: O sal em estado sólido também não apresenta substância necessária para
isso. Ao contrário do que quando está no estado líquido que ao se misturar
com a água solta substâncias do tipo dos íons que conduzem a carga elétrica.
Nesta resposta, a aluna fez confusão entre os conceitos de íons e
substâncias. Condicionou a condução da corrente elétrica no sal misturado
com água aos íons liberados, mas sem especificar quais seriam estes íons
nem como eles transmitiriam a corrente elétrica. Não demonstrou
entendimento de que os íons sódio e cloreto estavam presentes, ligados, no
sal sólido.
Os alunos do grupo espontâneo, do qual A16 participou, apresentaram
uma resposta avançada em relação a resposta inicial desta aluna, porque
conseguiram uma explicação teórica.
Grupo espontâneo: No estado sólido não conduz eletricidade, pois os íons
estão presos uns aos outros pela atração dos elétrons. Já no estado líquido
conduz luz elétrica, pois as moléculas da água estão separando os íons, assim
tendo liberdade para se movimentar e conduz a luz elétrica.
Esta explicação apresenta como novidade em relação à resposta anterior
de A16 a afirmação da não condutividade, no sal sólido, pela proposição da
imobilidade dos íons presos pela atração dos elétrons. Além disso, aponta a
ação das moléculas da água separando os íons, como causa da liberdade e
mobilidade iônica, possibilitando a condução da eletricidade, no sal
misturado com água.
94
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 7 Nº1 (2008)
No grupo recombinado, do qual A16 participou, os alunos apresentaram
uma explicação teórica, com elementos novos.
Grupo recombinado: O Sal quando está no estado sólido, não conduz a
corrente elétrica, pois os íons estão presos pela atração elétrica do NaCl, que
por serem opostos se atraem, assim não deixando os íons livres para
transitarem e conduzir a corrente elétrica. Ao se misturar com água ele deixa
o estado sólido, ficando em estado líquido. // Isso acontece, pois ao se
misturar com a água as moléculas da mesma agem separando os íons que se
dissolvem na água. Dessa forma os íons ficam livres para transitar conduzindo
a eletricidade. // No estado sólido não conduz eletricidade, pois está estável,
ou seja, não tem carga negativa nem positiva, isso aconteceu, pois houve
uma doação de elétrons.
A resposta do grupo recombinado avança em relação a resposta
individual inicial de A16 e a do seu grupo espontâneo, porque especifica que
a atração elétrica dos íons ocorre devido a ação das cargas elétricas opostas
dos mesmos. Também é novidade nesta resposta a noção de estabilidade.
Entretanto, os alunos confundem estabilidade com neutralidade, definindo
estabilidade pela ausência de carga positiva e negativa. A resposta inclui
ainda, como novidade, a noção de doação de elétrons, embora os alunos
não mencionem quem ganha e quem perde elétrons.
Na sua resposta individual final, a aluna A16 apresentou uma explicação
teórica.
A16:O NaCl no estado sólido não conduz a corrente elétrica, pois ele está
neutro. Ele se tornou neutro quando o 11Na doou um elétron para o 17Cl para
que assim os dois ficassem com 8 elétrons na ultima camada, aproximandose dos gases nobres e assim como eles se tornando estáveis. A soma do Na+1
e do Cl–1 dá um resultado neutro impossibilitando assim que o NaCl no estado
sólido possa conduzir a corrente elétrica.// Quando se mistura o NaCl com a
água, as moléculas desta agem em função de os separar e assim acabando
com a neutralidade e a atração que exista quando estava no estado sólido. Ao
por os eletrodos na água a parte positiva atrai o Cl–, que atrai o Na+ e daí por
diante possibilitando assim que o NaCl na forma líquida possa conduzir a
corrente elétrica.
Esta explicação mostra avanços em relação a resposta do grupo
recombinado. A16 justifica a não condutividade elétrica do sal sólido pela
neutralidade da carga elétrica, não mais confundindo estabilidade com
neutralidade. Representa, usando simbologia adequada, os íons sódio
(Na+1) e cloreto (Cl–1). Explica que os íons positivos e negativos ligam-se
entre si e com os eletrodos, fechando o circuito que conduz a eletricidade.
Ainda é novidade, que demonstra o progresso da aluna A16 nesta resposta
final, a noção do ganho de estabilidade pela perda e ganho de um elétron,
respectivamente, para os átomos de sódio e cloro, representados pelos
signos com seus números atômicos – sódio (11Na) e cloro (17Cl). Também
acrescenta a explicação de que o sódio doa um elétron para o cloro, ficando
cada um com oito elétrons na última camada, adquirindo ambos
estabilidade semelhante a dos gases nobres.
A aluna A20
Em sua resposta individual inicial, a aluna A20 apresentou uma explicação
que se fundamentava em uma generalização empírica.
95
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 7 Nº1 (2008)
A20: Quando o sal está no estado sólido o metal presente nele não prevalece e
por isso não conduz energia, mas, quando ele é colocado na água, os
elementos que ficam em cima do metal dissolvem na água, o metal prevalece
e o mesmo conduz eletricidade.
Esta explicação condiciona a condutividade elétrica ao metal presente no
sal. Na afirmativa da aluna A20 – Quando o sal está no estado sólido o metal
presente nele não prevalece, está implícita, a idéia, de uma espécie de
isolamento do metal, no sal sólido. E, para o sal misturado com água, na
expressão de A20 – ... quando ele é colocado na água, os elementos que
ficam em cima do metal dissolvem na água, o metal prevalece e o mesmo
conduz eletricidade, fica subentendido, que este isolamento desaparece e o
metal conduz a eletricidade. Assim, consideramos esta resposta uma
explicação, que incorpora o termo teórico “elemento”, mas fundamentada
em uma generalização empírica – tudo o que conduz eletricidade tem que
ter o metal. Entendemos que a aluna A20 trouxe esta generalização empírica
de suas experiências do cotidiano. A aluna A20, nesta resposta, atribuiu a
uma entidade microscópica (elementos) um caráter macroscópico (ficam
sobre o metal).
As idéias iniciais da aluna A20 predominaram no grupo espontâneo do
qual ela participou. Este grupo apresentou uma resposta escrita muito
semelhante a resposta inicial de A20, com uma explicação fundamentada na
mesma generalização empírica.
Grupo espontâneo: O sal não conduz energia no estado sólido porque contém
muitos elementos que ficam sobre o metal e quando é dissolvido na água o
metal prevalece e conduz a energia.
Esta resposta não acrescenta nada de novo à resposta anterior de A20.
O grupo recombinado, do qual a aluna A20 participou, apresentou uma
explicação teórica com elementos novos em relação às respostas anteriores
de A20 (trata-se da mesma resposta do grupo recombinado, transcrita
anteriormente, na análise das respostas de A16). Esta resposta é mais
avançada do que a individual inicial de A20 e a do grupo espontâneo que ela
integrou, porque não vincula a condução elétrica à prevalência do metal no
sal. Esta resposta nem menciona mais o metal. Avança em relação as
respostas anteriores também, porque a expressão elementos é substituída
pelo termo íons. São novidades nesta resposta, primeiro, a noção dos íons
presos (que consideramos uma idéia embrionária de ligação) no sal sólido
pela atração de suas cargas opostas. Outra novidade é a idéia da ação das
moléculas da água separando os íons, na justificativa da condução da
eletricidade do sal misturado com água. Também é idéia nova, a relação da
mobilidade dos íons com a condutividade elétrica. Ainda como novidade,
este grupo recombinado apresenta a justificativa de que o ganho de
estabilidade, no sal sólido, acontece pela doação de elétrons. Entretanto,
como já mencionamos anteriormente, esta resposta confunde a idéia de
estabilidade com neutralidade da carga elétrica total do sal.
Em sua resposta individual final, a aluna A20 demonstrou progresso em
relação a sua primeira resposta individual, porque em vez de uma
explicação fundamentada em uma generalização empírica, conseguiu
formular uma explicação teórica.
96
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 7 Nº1 (2008)
A20: Por que quando ele está no estado sólido o Na e o Cl eles estão grudados
por causa da atração entre eles o Na tem –1 e o Cl tem +1 e carga positiva
com negativa se atraem não conduzindo assim energia elétrica, mas quando
são jogados na água, os íons se soltam, fazendo com que eles fiquem soltos
na água, prontos para agir conduzindo assim energia elétrica.
Comparada à resposta do grupo recombinado, a resposta individual final
de A20, avança, quando faz referência à atração iônica, no sal sólido,
representando as cargas -1 e +1, respectivamente, para os íons sódio e
cloreto. Entretanto, a aluna A20 deixou de incorporar algumas conquistas do
grupo recombinado em sua resposta final. Ela não mencionou o fato das
moléculas da água separarem os íons nem explicou a estabilidade, pela
troca de elétrons.
Análise das interações do grupo recombinado
A seguir são ilustradas algumas das contribuições das interações para a
construção das respostas das alunas A16 e A20. No início do grupo
recombinado, elas debateram, apresentando hipóteses ou explicações
diferentes para as perguntas formuladas. Ao longo da discussão do grupo,
por um lado, A20 abandonou sua explicação inicial, aderindo à
argumentação de A16. Por outro lado, A16 ganhou elementos novos para
formular sua explicação de uma forma mais complexa.
Como aluna A20 formulou e depois abandonou a sua hipótese?
No episódio transcrito a seguir, dos turnos 197 até 217, os alunos
debateram, sem a presença do professor, a explicação de A20 de que o
sódio é um metal e por isso não dissolve na água.
T197
A20 – Não!... O sódio não dissolve!
T198
A2 – O sódio é um metal.
T199
A16 – E se dissolver? (Os alunos do grupo ficam rindo)... Nós
achamos que o cloro dissolve... Eu pensava que os dois dissolviam... Ta tudo
lá...
T200
A20 – Pra mim não dissolve... O sódio é um metal... A gente viu que o
metal não dissolve na água!... O sódio é um metal, então não dissolve na
água!... Nós fizemos uma pesquisa e o livro falava... (Os alunos pesquisaram
por seus próprios interesses. O professor não solicitou pesquisa bibliográfica)
T201
A16 – Eu não sei, porque eu nunca li sobre isso!
T202
A20 – Eu sei que não dissolve! (Os alunos do grupo ficam rindo)
T203
A20 – Eu não li no livro. Eu pesquisei!
T204
A2 – Como é que tu sabes então?
T205
A20 – Porque o professor colocou o metal na água... (Está se
referindo ao experimento de condução da corrente elétrica no alumínio).
T206
A16 – O metal na forma que ele estava... Ele não dissolveu é lógico,
mas eu acho que é possível o metal dissolver! (Os alunos do grupo ficam
rindo)
T207
A2 – Mas só que ele está no estado sólido... E o metal quando está no
estado líquido?
T208
A20 – Sim...
97
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 7 Nº1 (2008)
T209
A16 – De repente algum detalhe faz ele derreter!
T210
A20 – E derrete!... Mas na água vai derreter o metal?
T211
A16 – Não! É, mas depois que derrete... Não sei...
T212
A20 – Pra mim o metal não dissolve na água!... Não dissolve!...
Neste episódio a aluna A16 contestou A20, primeiro colocando em dúvida
sua explicação, no turno 199, em seguida, no turno 201, afirmando não ter
lido nada sobre o assunto, e também, apontando outras circunstâncias onde
a afirmação de A20 poderia não ser válida (turnos 206 e 209).
A aluna A2 colaborou com A16 nos seus questionamentos, pedindo que A20
justificasse sua resposta (T. 204) e apoiando A16 ao afirmar que o metal tem
a forma sólida e a forma líquida (T. 207).
Diante destes questionamentos, A20 argumentou, primeiro, usando o
raciocínio dedutivo. Apoiando-se em uma descrição teórica (o sódio é um
metal) e numa generalização empírica (a gente viu que o metal não dissolve
na água), concluiu que o sódio é um metal, então não dissolve na água (T.
200).
Um segundo argumento usado por A20 foi um argumento de autoridade.
Para responder ao questionamento de A16, que afirmou não ter lido sobre o
assunto, A20 contestou – eu não li no livro, eu pesquisei! (T. 203). Neste
debate fica claro a autoridade, e o valor que as duas alunas atribuem ao
livro e à pesquisa.
O terceiro argumento usado por A20, ao ser questionada por A2 a justificar
sua opinião, foi um apelo aos fatos. Porque o professor colocou o metal na
água (T. 205).
E, por fim, A20 argumentou com uma contestação ao questionamento de
A16, fazendo outra pergunta. Mas na água, vai derreter? (T. 210).
No final deste episódio, A20 pareceu ter saído fortalecida do debate e
afirmou com ênfase. Pra mim o metal não dissolve na água... não dissolve!
(T. 212).
Quando o professor retornou ao grupo, na seqüência dos turnos 218 até
274, dialogou com a aluna A20, procurando fazê-la entender que a condução
da corrente elétrica no sal não deveria ser atribuída ao elemento metálico e
sim aos íons sódio e cloreto, transitando livres em solução devido à
dissociação iônica.
T218 P – Fechando aqui a discussão de vocês, que eu já venho!
T219 Silêncio no grupo.
T220 P – Aí tem dúvidas?... Sim, diga lá! (O professor fala com a aluna A16)
T221 A16 – Ainda temos dúvidas aqui, eu e ela!
T222 A20 – Ela diz que dissolve na água e eu digo que não dissolve...
Entende?
T223 P – O que dissolve?
T224 A20 – Eu acho que não dissolve, porque o sódio é um metal e um metal
não dissolve na água.
98
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 7 Nº1 (2008)
T225 P – Durante a experiência você prestou bem atenção quando misturou o
NaCl na água... E eu misturei bem... Ficaram grãozinhos?
T226 A20 – Ficou sim!
T227 P – Hem!
T228 A20 – Ficou!
T229 P – E esses grãozinhos você diz que é de sódio?
T230 A20 – É.
T231 P – É sódio?
T232 A20 – É.
T233 P - Quando você coloca o açúcar na água e mexe o açúcar, ele dissolve
na água?
T234 A20 – Dissolve.
T235 A16 – Dissolve.
T236 A2 – Não.
T237 A16 – Depende da quantidade!
T238 P – Depende da...
T239 A16 – Depende da quantidade.
T240 P – Não estaria acontecendo isto com o sal?... Por exemplo, quando
você está colocando na água...
T241 A20 – O que?
T242 P – Imagine que você está com o sódio e o cloro, né... Sódio e cloro que
está dissolvido na água... Se só o cloro dissolve e o sódio não dissolve... Pela
lógica deveria o que?... Se você fosse nessa lógica... Deveriam restar no
fundo mais grãos, não é isso?... Se todo o cloro dissolvesse só ficando o
sódio, então deveria ficar no fundo...
T243 A16 – Metade ia ficar no fundo!
T244 P – Metade ia ficar no fundo, muito mais grãos... Certo?... E, aí?...
Mesmo que... Mesmo que o sódio não tenha se dissolvido... Porque você diz
que é ele o responsável pela condução da corrente elétrica, e o cloro não é?
T245 Os alunos ficam em silêncio.
Neste episódio, do turno 225 ao 244, com uma abordagem interativa
dialógica, o professor explorou as idéias dos alunos e deu forma aos
significados das explicações de A20 (T. 200 e 224), provocando, mediante
feedbacks, as (re)elaborações dos significados construídos pelos alunos.
O professor tentou convencer A20, argumentando que se o elemento
químico cloro dissolvesse e o sódio não dissolvesse, quando colocasse o sal
na água, metade iria ficar aparecendo no fundo do recipiente com água, o
que não tinha acontecido na experiência que os alunos observaram. Mas,
quem respondeu, demonstrando ter entendido o raciocínio do professor, foi
a aluna A16, dizendo que metade dos grãos do cloreto de sódio iria ficar no
fundo (T. 243). O professor não tinha evidências de que a aluna A20 estava
convencida deste argumento contrário a sua hipótese.
Então, o professor tentou outro argumento.
99
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 7 Nº1 (2008)
T246 P – É pela propriedade do metal, é isto?
T247 A20 – É.
T248 P – O metal conduz corrente elétrica... Ta! Agora o que é elemento
químico sódio?
T249 A20 – Sódio!
T250 P – O elemento químico sódio é metal?
T251 A20 – É.
T252 P – E o Alumínio?
T253 A20 – Também é metal.
T254 P – O alumínio tem o que junto com o alumínio?... Quando você tem
alumínio no estado sólido... O alumínio... Nessa substância alumínio, quantos
elementos químicos têm lá?
T255 A20 – No alumínio?
T256 P – É.
T257 A20 – Um!
T258 P – Só o alumínio... Na substância Cloreto de sódio, quantos elementos
tem lá?... Na fórmula?...
T259 A20 – Tem dois.
T260 P – Sódio e...
T261 A20 – Cloro.
T262 P – Aí, já não tem uma diferença?
T263 A20 – Já!
T264 P – Certo! Então é a primeira diferença... A segunda é com relação aos
íons, que ela falou não é mesmo?... Se um é positivo e outro é negativo,
porque o negativo dissolve e o positivo não dissolve?... Sendo um negativo e
o outro positivo, porque só o que tem carga negativa dissolve e o outro
não?... É outra coisa a pensar!... Veja!
T265 A20 – Eu acho que é assim... Eu estou falando que o sódio não dissolve
na água, porque ele é um metal... Porque pra mim metal não dissolve na
água!
T266 P – Agora, o problema é você estar confundindo elemento químico com
substância química... Porque, por exemplo, o alumínio que nós vimos na
experiência da quentinha... Ali é uma substância química!... Alumínio com
alumínio... E quando você tem só o sódio... Você tem uma substância
química, quando você tem só o sódio?... Ou você tem o elemento químico
sódio?... No Cloreto de Sódio?...
T267 A20 – No cloreto de sódio?
T268 P – Por exemplo, você tem o sódio no cloreto de sódio. O sódio do
cloreto de sódio é um elemento químico ou é uma substância?
T269 A20 – Elemento!
T270 P – Então aí existe uma diferença entre elemento químico e substância
química, que precisa ficar marcante... Agora é importante a colega tentar
explicar porque a carga positiva atrai a carga negativa (Faz referência a aluna
100
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 7 Nº1 (2008)
A16)... No estado sólido, aí está sendo atraído... E quando libera na água, aí
vai transmitir a corrente elétrica...
T271 A16 – Porque vai liberar...
T272 P – Por que na água libera e conduz a corrente elétrica?
T273 A16 – Eles se soltam...
T274 P – Mas o que favorece a condução da corrente elétrica quando íons
positivos e negativos estão soltos na água?... Esta é a questão de vocês... (O
professor motiva o debate e vai conversar com outro grupo).
Na sequência dos turnos 244 a 263, o professor questionou A20 sobre a
razão de ela ter considerado que o sódio era responsável pela condução da
corrente elétrica. Informado de que ela estava fazendo uma analogia entre
a propriedade do alumínio, que ela havia observado na demonstração
experimental e o sódio, que ela sabia que era um metal, tentou estabelecer
uma diferença entre a substância alumínio (que tem só um elemento na sua
fórmula) e o cloreto de sódio (que tem dois elementos na fórmula).
Adiante, ainda com a intenção de desestabilizar a hipótese de A20, o
professor pediu que ela explicasse porque só o íon negativo dissolveria na
água e o íon positivo não (T. 264). Diante da insistência de A20 de que o
sódio era um metal e não dissolvia, afirmou que ela estava confundindo
substância química com elemento químico (T. 266). Neste momento,
diferentemente dos momentos anteriores, adotou uma abordagem
interativa de autoridade, fazendo uma clara avaliação negativa da resposta
da aluna.
No episódio transcrito a seguir, o professor não estava presente. Os
alunos (re)elaboraram significados, tentando construir a resposta escrita
para as perguntas. Os diálogos aconteceram, predominantemente, entre as
alunas A16 e A20. Os demais alunos tiveram uma participação periférica nas
discussões.
T275 A16 – Eles estão soltos. Eles ficam em liberdade... Sei lá! Pra transmitir,
porque quando estão soltos o sódio... (Os alunos do grupo ficam brincando e
atrapalham a falação da aluna A16)
TT276 A20 – Onde é que grava é aqui ou aqui? (A aluna A20 checa o
funcionamento do gravador)... Não, pra mim, quando está no estado sólido
eles ficam presos... Ta certo!... E quando eles são colocados na água, eles
ficam...
T277 A16 – Eles ficam...
T278 A20 – Eles ficam soltos porque um é metal.
T279 A16 – E a molécula...
T280 A20 – É a molécula que separa eles... Com isso o sódio vai para um lado
e o cloro vai pro outro.
T281 A16 – Aí...
T282 A20 – Aí eles ficam livres!
T283 A16 – Ficam livres um do lado do outro para conduzir.
T284 A13 – Meu clima favorável! (Os alunos do grupo ficam rindo)
101
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 7 Nº1 (2008)
T285 A16 – Ficam livres para transitar (A aluna fica rindo)... E isso faz a
corrente elétrica... Isso faz conduzir a corrente elétrica... É isso!... Me lembrei
agora o que o professor falou (Faz referência a fala do professor relativa a
condução da corrente elétrica no cloreto de sódio).
T286 A20 – Por que ficam livres para conduzir a corrente elétrica?
T287 A16 – Porque eles estão livres para transitar... Para! (Um aluno faz uma
brincadeira)... Por que na água eles ficam soltos e livres para transitar e
conduzir a corrente elétrica.
T288 A13 – Então escreve aí!
Entre os turnos 289 e 300 os alunos brincaram e não discutiram o
assunto
T301 A16 – Ele não conduz a corrente elétrica, pois... Hem! (A aluna A16
reinicia o debate)... Pois quando eles estão presos...
T302 A20 – Então, quando está no estado sólido não conduz corrente elétrica,
pois os íons estão presos e não conduz corrente elétrica no NaCl, que por
serem opostos se atraem... que por serem opostos se atraem... (A aluna
repetiu a frase enquanto registrava)
T303 A7 – Vai ficar tudo borrado!
T304 A20 – Não vai! Isso aqui é rascunho!
T305 A2 – Nada! Não sei.
T306 A20 – E quando são despejados na água... (A aluna está lendo os
rascunhos para a organização dos registros escritos)
T307 A2 – Espera!... Calma!... Calma! (A aluna A2 está fazendo as anotações)
T308 A20 – Os opostos se atraem formando... Formando, sei lá!... Os opostos
se atraem... E não deixando os íons livres para transitarem...
T309 A14 – Que horas tem aí?
T310 A20 – Os íons livres para transitarem... E assim conduzir a corrente
elétrica... Eu acho que está certo!
T311 A2 – Assim não deixando os íons livres para transitarem... E olha!...
Assim!... Assim!... Assim, não deixando os íons livres para transitarem e
conduzir a corrente elétrica...
Neste episódio, as alunas A16 e A20 dialogaram, organizando o texto da
resposta escrita com uma postura diferenciada em relação aos episódios
anteriores, quando cada uma argumentou em defesa de seu
posicionamento contrário ao da outra. Aqui, A16 e A20 colaboraram na
(re)construção de significados sobre a questão da condutividade elétrica no
cloreto de sódio.
Progressivamente, no seguimento dos diálogos, A20 (T. 280, 282, 286,
302, 306, 308, 310)
complementou e se apropriou da fala de A16,
oferecendo feedbacks elicitativos às respostas da colega e (re)construindo,
de forma ativa, o seu entendimento sobre a condução da corrente elétrica
pelos íons sódio e cloreto, na mistura de água com sal, e da não condução
da eletricidade no sal sólido pela atração iônica do sódio com o cloro.
As falas de A20, admitindo a presença dos íons sódio e cloro na solução
salina, no turno 280 (É a molécula que separa eles... Com isso o sódio vai
para um lado e o cloro vai pro outro) e no turno 282 (Aí eles ficam livres!),
102
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 7 Nº1 (2008)
são diferentes da sua explicação anterior, quando dizia que o cloro dissolvia
e o sódio (metal) prevalecia, conduzindo a corrente elétrica.
A aluna A16, no turno 283, quando falou – Ficam livres um do lado do
outro para conduzir, demonstrou avanço na sua resposta anterior,
apresentando uma explicação teórica de como os íons livres conduzem a
corrente elétrica na mistura de água com sal.
No turno 285, A16 lembra a voz do professor, para destacar sua
explicação da condutividade elétrica – Ficam livres para transitar... E isso
faz a corrente elétrica... Isso faz conduzir a corrente elétrica... É isso!... Me
lembrei agora o que o professor falou.
No turno 286, quando A20 questionou – Por que ficam livres para conduzir
a corrente elétrica?, demonstrou uma busca ativa de compreensão dos
significados para a reconstrução de sua hipótese.
A16 insistiu em responder (T. 301) e A20 complementou a resposta
explicando, no turno 302 – ... no estado sólido não conduz a corrente
elétrica, pois os íons estão presos... no NaCl, que por serem opostos se
atraem. No turno 310, a aluna A20 considerou que a reconstrução das idéias
estava correta, ao enunciar – Os íons livres para transitarem... E assim
conduzir a corrente elétrica... Eu acho que está certo!
Como a resposta de A16 ganha em complexidade?
Ela não mencionava a carga positiva e negativa dos íons; não falava em
quebra de ligação; não entendia que, na água, acontecia atração dos íons
com os eletrodos e entre os próprios íons, formando uma corrente; não
falava em distribuição eletrônica, nem em estabilidade. Todos estes
aspectos A16 e também A20, incorporaram no diálogo com os colegas e com
o professor.
Considerações finais
Os resultados do presente estudo mostraram que as explicações
individuais de ambas as alunas, inicialmente diferentes, foram modificadas
durantes as interações com os colegas e com o professor.
Entre os alunos, podemos notar formas de ajuste da ajuda educacional
que incluíram contraposições não justificadas ou justificadas por referência
à autoridade. Tais formas parecem contribuir menos para as transformações
das explicações individuais que a imitação das respostas da colega e a
necessidade de esclarecer o próprio ponto de vista. A apresentação pelo
professor de contra-argumentos justificados ou apoiados na autoridade
também foram formas que contribuíram para a mudança das explicações
individuais.
Durante as interações discursivas entre os alunos e deles com o professor
predominou a abordagem comunicativa interativa dialógica. Na mesma
perspectiva, os alunos discutiram várias vezes, coletivamente, sem a
mediação do professor, elaborando, confrontando e organizando suas
respostas. Eles tiveram oportunidades de argumentar e de aprender
conteúdos novos, interagindo com os colegas e não apenas com o
professor.
103
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 7 Nº1 (2008)
Segundo Alarcão (2005)
“ O espírito crítico não se desenvolve através de monólogos expositivos. O
desenvolvimento do espírito crítico faz-se no diálogo, no confronto de idéias e
de práticas, na capacidade de se ouvir o outro, mas também de se ouvir a si
próprio e de se autocriticar” (p. 32)
Embora as discussões dos grupos tenham contribuído para a evolução
das explicações individuais das alunas A16 e A20, os outros alunos que
participaram do grupo não se empenharam da mesma maneira nas
construções realizadas coletivamente. Neste sentido, investigar como
aumentar a participação ativa de todos os alunos nos grupos de discussão é
um desafio para futuras pesquisas. Dois encaminhamentos práticos são
sugeridos por Colomina e Onrubia (2004): trabalhar com grupos pequenos
e atribuir papeis complementares aos participantes dos mesmos.
Além do conteúdo específico, os alunos tiveram oportunidades de
aprender a argumentar de várias formas. Ao fazer isso, principalmente na
interação com os colegas, eles estavam aprendendo a levar em conta
outras perspectivas e, portanto, tomando consciência do seu próprio ponto
de vista. Neste sentido, concordamos com Ajello, Pontecorvo e Marco
(2005) quando afirmam que as interações discursivas entre aluno-aluno e
professor-aluno, podem
“... ativar uma situação de aprendizagem, que se caracteriza pelo fato de que
(principalmente por meio de oposições recíprocas mais ou menos fortes) os
interlocutores produzem argumentos que são expressos como concessões,
justificações, elaborações, em geral como formas de desenvolvimento de um
raciocínio coletivo” (p. 247).
As gravações das conversas dos grupos mostraram que os alunos
continuavam discutindo sobre o problema proposto, mesmo nos momentos
em que o professor se ausentava para atender outros grupos. Notamos que
as atividades promoveram um clima afetivo e motivacional positivo. Mas
não elaboramos categorias e indicadores para captar, sistematicamente
esta dimensão, o que também consideramos um desafio a ser enfrentado
em futuras pesquisas.
Referências bibliográficas
Ajello, A.M., Pontecorvo, C. e C.D. Marco (2005). Raciocínio Social E
Interação de Grupo. Em: C. Pontecorvo; A. M. Ajello e C. D. Marco.
Discutindo se Aprende: Interação Social, Conhecimento e Escola (pp. 247261). Porto Alegre: Artmed.
Alarcão, I. (2005). Uma Escola Reflexiva. Questões da Nossa Época, 104.
São Paulo: Cortez.
Bakhtin, M. (1997) Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo:
Hucitec.
Colomina, R. e J. Onrubia (2004). Interação Educacional e Aprendizagem
Escolar: A Interação entre Alunos. Em: C. Coll, A. Marchesi.; J. Palacios e
Cols. (2004) Desenvolvimento Psicológico e Educação. Volume 2: Psicologia
Educaciona (pp 280-293). Porto Alegre: Artmed.
104
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 7 Nº1 (2008)
Colomina, R., Onrubia, J. e M.J. Rochera (2004). Interatividade,
Mecanismos de Influência Educacional e Construção do Conhecimento na
Sala de Aula. Em: C. Coll; A. Marchesi; J. Palacios e cols. (2004)
Desenvolvimento Psicológico e Educação. Volume 2: Psicologia Educacional
(pp. 294-308). Porto Alegre: Artmed.
Costa, A.R. (2005). Contextualização, Dialogia e Parceria no Estudo das
Ligações Iônicas. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de
Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática da Universidade
Federal do Pará.
Galiazzi, M.C. e F.P. Gonçalves (2004). A Natureza Pedagógica da
Experimentação: Uma Pesquisa na Licenciatura em Química. Química Nova,
27, 2, 326-331.
Góes, M.C.R. (2000). A Abordagem Microgenética na Matriz HistóricoCultural: Uma Perspectiva para o Estudo da Constituição da Subjetividade.
Cadernos Cedes, 50, 9-25.
Lunt, I. (1995). A Prática da Avaliação. Em: H. Daniels (Org.) Vygotsky
em Foco: Pressupostos e Desdobramentos (pp. 219-252). Campinas:
Papirus.
Mercer, N. (1998). As Perspectivas Socioculturais e o Estudo do Discurso
em Sala de Aula. Em: C. Coll e D. Edwards (Orgs.) Ensino, Aprendizagem e
Discurso em Sala de Aula: Aproximações ao Estudo do Discurso Educacional
(pp. 13–28). Porto Alegre: Artes Médicas.
Monteiro, M.A. e O.P.B. Teixeira (2004). Uma Análise das Interações
Dialógicas em Aulas de Ciências nas Séries Iniciais do Ensino Fundamental.
Investigações
No
Ensino
De
Ciências.
Disponível
Em
http://www.if.ufrgs.br/public/ensino/revista
Mortimer, E.F. e P. Scott (2002). Atividade Discursiva nas Salas de Aula
de Ciências: Uma Ferramenta Sociocultural para Analisar e Planejar o
Ensino.
Investigações
no
Ensino
de
Ciências.
Disponível
Em
http://www.if.ufrgs.br/public/ensino/revista
Mortimer, E.F. (1998). Sobre Chamas e Cristais: A Linguagem Cotidiana,
a Linguagem Científica e o Ensino de Ciências. Em: A. Chassott e R. J.
Oliveira (Orgs.). Ciência, Ética e Cultura na Educação (pp. 99-118). São
Leopoldo, RS: Unisinos.
Mortimer, E.F. e P. Scott (2002). Atividade Discursiva nas Salas de Aula
de Ciências: Uma Ferramenta Sociocultural para Analisar e Planejar o
Ensino.
Investigações
no
Ensino
de
Ciências
3,
2002.
Em
http://www.if.ufrgs.br/public/ensino/revista
Piaget, J. (1935/1998). Observações Psicológicas sobre o Trabalho em
Grupo. Em: S. Parrat e A. Tryphon (Orgs.) J. Piaget - Sobre a Pedagogia:
Textos Inéditos (pp 137-151). São Paulo: Casa do Psicólogo.
Schnetzler, R.P. (2002). A Pesquisa em Ensino de Química no Brasil:
Conquistas e Perspectivas. Química Nova, 25, 14-24.
Tudge, J. (1996). Vygotsky, a zona de desenvolvimento proximal e a
colaboração entre pares: Implicações para a prática em sala de aula. Em:
105
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 7 Nº1 (2008)
L.C. Moll (Ed.), Vygotsky e a Educação: Implicações Pedagógicas da
Psicologia Sócio-Histórica (pp. 151–168). Porto Alegre: Artes Médicas.
Vygotsky, L.S. (1984). A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins
Fontes.
Vygotsky, L.S. (1993). Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins
Fontes.
Zabala, A. (1998). A Prática Educativa: Como Ensinar. Porto Alegre:
Artes Médicas.
106