O diagnóstico de concepções sobre os cientistas através da análise

Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 5 Nº 2 (2006)
O diagnóstico de concepções sobre os cientistas
através da análise e discussão de histórias de ficção
científica redigidas pelos alunos
Pedro Reis1 e Cecília Galvão2
1
Escola Superior de Educação de Santarém & Centro de Investigação em Educação
da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Portugal. E-mail:
PedroRochaReis@netcabo.pt 2Departamento de Educação & Centro de Investigação em
Educação da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Portugal. E-mail:
cgalvao@fc.ul.pt
Resumo: Neste artigo recorre-se à análise qualitativa do enredo de
histórias de ficção científica sobre o trabalho de um grupo de cientistas,
redigidas por três alunos portugueses da disciplina de Ciências da Terra e da
Vida do 11º ano, e à realização de entrevistas semi-estruturadas, com o
objectivo duplo de diagnosticar concepções sobre os cientistas e discutir as
potencialidades desta metodologia na investigação e na educação em ciência.
A metodologia utilizada revelou-se bastante adequada ao diagnóstico de
concepções dos alunos sobre as características dos cientistas, a actividade
científica e as interacções entre ciência, tecnologia e sociedade. Entre os
participantes, foi notória a falta de conhecimentos processuais e
epistemológicos sobre a ciência, bem como a existência de diversas
concepções estereotipadas e deturpadas sobre as características e a actividade
dos cientistas. Diversos factores parecem contribuir para esta situação,
nomeadamente, as práticas de sala de aula utilizadas pelos seus professores,
as imagens de ciência veiculadas pelos meios de comunicação social e a
ausência, nas aulas de ciências, de qualquer tipo de reflexão crítica sobre
essas imagens.
Palavras-chave: educação em ciência, natureza da ciência, concepções dos
alunos, histórias de ficção científica.
Title: Diagnosing conceptions about scientists through the analysis and
discussion of science fiction stories written by students.
Abstract: This study resorts to a qualitative analysis of the plot of science
fiction stories about a group of scientists, written by three 11th grade Earth
and Life Science students (aged 17), and to semi-structured interviews, with
the double purpose of diagnosing their conceptions about scientists and
discussing the potentialities of this methodology in science education and as a
research tool.
The adopted methodology proved particularly effective in diagnosing the
students’ conceptions of scientists’ characteristics, scientific activity and
interactions between science, technology and society. Among the students, a
213
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 5 Nº 2 (2006)
certain lack of knowledge concerning the processes and the epistemology of
science and several stereotypical conceptions about scientists’ characteristics
and activity were evident. Several factors seem to contribute to this situation,
namely teachers’ classroom practices, the images about science depicted in the
media and the absence of a critical debate about these images in science
classes.
Keywords: science education, nature of science, students’ conceptions,
science fiction stories.
Enquadramento teórico
A aprendizagem acerca da natureza da ciência e da sua relação com a
sociedade e a cultura constitui um aspecto importante da maioria dos
currículos de ciências actuais (Jenkins, 1996; McComas, 2000). Geralmente, a
designação natureza da ciência refere-se à epistemologia da ciência, à ciência
como uma forma de conhecimento ou aos valores e crenças inerentes ao
desenvolvimento do conhecimento científico (Abd-El-Khalick, Bell e Lederman,
1998). A compreensão do empreendimento científico constitui um eixo
fundamental da literacia científica, indispensável ao envolvimento activo dos
cidadãos em processos decisórios relacionados com questões sociocientíficas.
Existe a convicção de que o conhecimento da natureza da ciência
(especialmente dos enquadramentos sociais, institucionais e políticos no
interior dos quais a ciência opera) encoraja os alunos a apreciarem a ciência
como um empreendimento humano com história, aventuras, personalidades,
dramas, disputas, controvérsias, criatividade, normas e princípios éticos
(Driver, Leach, Millar, e Scott, 1996).
Na opinião de Cachapuz, Praia, Paixão e Martins (2000), o grande objectivo
da aprendizagem em ciência deverá consistir na familiarização do aluno com as
características do trabalho científico, ajudando-o a compreender os seus
percursos, bem como as suas múltiplas facetas, colocando-o numa situação de
cidadão activo apto a decidir em situações pluridisciplinares, nas quais a
ciência é uma entre as várias vozes da sociedade. Freire Jr. (2003) está
convicto de que o desenvolvimento de uma imagem mais real e multifacetada
da ciência (atenta às reflexões críticas da filosofia, da história e da sociologia
sobre este empreendimento) poderá contribuir para a melhoria da relação
entre a ciência e a sociedade, representando o “melhor antídoto contra
tendências irracionalistas contemporâneas” (p. 482). Em sociedades científica
e tecnologicamente avançadas, o exercício da cidadania e a democracia só são
possíveis através de uma compreensão do empreendimento científico
(nomeadamente da actividade dos cientistas) e das suas interacções com a
tecnologia e a sociedade que permita, a qualquer cidadão, participar em
processos decisórios sobre questões sociocientíficas (Millar e Osborne, 1998).
Contudo, a maioria dos cidadãos não possui uma compreensão elementar do
funcionamento do empreendimento científico (McComas, Clough e Almazroa,
2000; Miller, 1991). A escola e os agentes de educação não-formal partilham
responsabilidades nesta situação. Diversos estudos têm revelado que muitos
214
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 5 Nº 2 (2006)
professores possuem concepções deturpadas acerca do empreendimento
científico e dos cientistas (Lederman, 1992; McComas, 2000; Fernández, Gil,
Carrascosa, Cachapuz e Praia, 2002) e não abordam questões de natureza da
ciência nas suas aulas (Abd-El-Khalick, Bell e Lederman, 1998; King, 1991;
Lakin e Wellington, 1994; Reis e Galvão, 2004a). Durante a sua formação
inicial e contínua, os professores raramente têm oportunidade de reflectir
sobre aspectos da natureza da ciência e, consequentemente, tendem a
sub-valorizá-los na sua prática de ensino (Lakin e Wellington, 1994; McComas,
Clough e Almazroa, 2000; Mellado, 1997). Por isto mesmo, não serão de
estranhar as concepções estereotipadas sobre os cientistas diagnosticadas em
diversos estudos realizados com alunos dos diferentes níveis de ensino
(Chambers, 1983; Driver, Leach, Millar e Scott, 1996; Fort e Varney, 1989;
Mead e Métraux, 1957; Reis, Rodrigues e Santos, aceite para publicação).
Simultaneamente, os agentes não-formais de educação científica,
nomeadamente a televisão e os jornais, transmitem uma imagem distorcida da
ciência e ideias estereotipadas acerca dos cientistas e da sua actividade, com
um impacto considerável nas concepções e na confiança do público acerca dos
empreendimentos científico e tecnológico (Nelkin, 1995; Reis e Galvão,
2004b). A investigação científica é muitas vezes apresentada como uma
actividade misteriosa e extremamente complexa, realizada por um número
restrito de iluminados, absorvidos em práticas nem sempre muito éticas.
Frequentemente, estas notícias ignoram o processo de produção do
conhecimento científico e reforçam sentimentos de assombro e de
desconfiança que perpetuam o distanciamento dos cidadãos relativamente à
ciência (Nelkin, 1995). Esta situação é particularmente grave pelo facto da
actualização científica da população depender, maioritariamente, da
informação veiculada pelos meios de comunicação social (Lewenstein, 2001;
Pellechia, 1997).
Problema e metodologia
Neste artigo recorre-se à análise de três histórias de ficção científica, sobre
o trabalho de um grupo de cientistas, redigidas por três alunos do 11º ano, e à
realização de entrevistas semi-estruturadas com o objectivo duplo de: a) obter
indícios das suas concepções sobre a natureza da ciência, nomeadamente
acerca da actividade do cientista; e b) discutir as potencialidades desta
metodologia na investigação e na educação em ciência. Estas três histórias
foram redigidas como parte de um projecto mais amplo, de índole qualitativa e
baseado essencialmente em estudos de caso, que envolveu o estudo do
impacto das questões sociocientíficas recentes, divulgadas pelos meios de
comunicação, nas concepções acerca da natureza da ciência de um grupo de
alunos portugueses da disciplina de Ciências da Terra e da Vida do 11º ano
(Reis, 2004). Para o presente artigo, seleccionaram-se aleatoriamente os
dados referentes a três participantes desse estudo mais alargado.
As histórias de ficção científica foram redigidas a pedido dos investigadores,
mas solicitadas aos alunos como um trabalho de casa inserido nas actividades
previstas pelas suas professoras. Foi pedido a cada um dos alunos que
215
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 5 Nº 2 (2006)
escrevesse uma história de ficção científica imaginando um grupo de cientistas
a trabalhar numa situação concreta à sua escolha. Estas histórias
representaram uma forma de aceder a eventuais concepções dos sujeitos
sobre os assuntos em estudo, proporcionando o pretexto para uma discussão
aprofundada durante as entrevistas. Acredita-se que os enredos das histórias
de ficção científica elaboradas reflectem uma combinação de vários elementos,
nomeadamente: a) das ideias e dos sentimentos dos alunos acerca da ciência;
b) dos valores dos alunos; c) de imagens provenientes dos meios de
comunicação social, de filmes e de livros de ficção científica; d) de
representações sociais relativamente aos cientistas e à actividade científica; e
e) do conjunto de elementos que os alunos identificam como parte integrante
de uma boa história de ficção científica. Logo, a análise dos enredos destas
histórias não proporcionou um retrato directo e nítido das concepções dos
alunos acerca do empreendimento científico e das características dos
cientistas, funcionando, fundamentalmente, como um catalizador de discussão
(estabelecida durante a entrevista) sobre os diferentes aspectos das histórias.
Desta forma, as histórias apenas permitiram obter alguns eventuais indícios
passíveis de clarificação, aprofundamento e discussão através de entrevista. A
discussão da história assumiu um papel preponderante na distinção dos
elementos que correspondiam a pensamentos reais sobre a ciência e os
cientistas de outros elementos simplesmente ficcionados. Provavelmente, a
tarefa teria sido facilitada se tivessem sido solicitadas “histórias” em vez de
“histórias de ficção científica” sobre o trabalho dos cientistas. Contudo,
optou-se pelo elemento de ficção em virtude do interesse que suscita nos
alunos.
Depois de uma leitura inicial das histórias pelos investigadores, os seus
autores foram entrevistados na escola com o intuito de esclarecer, aprofundar
e discutir algumas ideias incorporadas nesses textos. As entrevistas foram
gravadas em audio e transcritas na sua totalidade. Este registo permitiu o
acesso posterior à totalidade do discurso e não apenas a notas parcelares
manuscritas.
Posteriormente, as histórias de ficção científica e as transcrições das
entrevistas foram sujeitas a uma análise categorial que procurou extrair as
concepções implícitas acerca do aspecto em estudo. De acordo com Bardin
(1977), trata-se de um tipo de análise que envolve a classificação dos
elementos de significação, constitutivos de um texto, de acordo com
determinadas categorias susceptíveis de introduzir ordem na aparente
desordem dos dados em bruto. As categorias são definidas de acordo com o
que se procura ou se espera encontrar, proporcionando uma representação
simplificada e condensada dos dados brutos. O processo de construção de
categorias, apesar de essencialmente intuitivo, é influenciado por diversos
aspectos como, por exemplo, os objectivos e o enquadramento teórico do
estudo, as concepções e os conhecimentos do investigador. Envolve a
comparação das diferentes unidades de informação com o objectivo de se
detectarem regularidades recorrentes entre os dados disponíveis (Bardin,
1977; Bogdan e Biklen, 1994).
216
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 5 Nº 2 (2006)
A análise das diferentes fontes de informação foi efectuada
colaborativamente pelos investigadores. As diferentes interpretações e as
poucas discrepâncias que emergiram durante o processo de classificação foram
discutidas entre os dois investigadores.
A leitura repetida e a análise aprofundada dos enredos das histórias de
ficção científica e das transcrições das entrevistas permitiram, numa primeira
fase, a classificação dos elementos de significação de acordo com categorias
definidas previamente e, numa segunda fase, a sua distribuição por
sub-categorias de natureza temática (ainda mais específicas) que emergiram
durante este processo. A cada uma destas categorias e sub-categorias foi
atribuído um título conceptual, descritivo ou interpretativo dos excertos nela
agrupados. De acordo com um processo de codificação indutiva (Gil Flores,
1994), o conjunto das categorias foi sucessivamente redefinido de forma a
permitir a acomodação de excertos que não se enquadravam nas classes já
existentes. Depois de uma primeira fase de classificação, o conteúdo incluído
em cada categoria foi analisado tendo em vista a fusão de categorias afins ou
de fraca representatividade, a subdivisão de categorias demasiado grandes e
de conteúdo excessivamente heterogéneo e a avaliação da adequação dos
títulos conceptuais ao conteúdo de cada categoria.
Resultados: os casos de Jaime, Rosa e Sofia
Apresentam-se de seguida três estudos de caso centrados nos três alunos
(Jaime, Rosa e Sofia) cujos dados foram seleccionados para este artigo.
Conforme já foi referido, a selecção destes três alunos foi efectuada
aleatoriamente a partir do conjunto de participantes do estudo mais alargado
(Reis, 2004). Os estudos de caso foram construídos a partir da análise e da
triangulação de informações recolhidas através da história de ficção científica e
da entrevista semi-estruturada (EA). Cada caso apresenta uma breve descrição
do respectivo aluno, algumas das suas concepções sobre a educação em
ciência, a versão integral da história de ficção científica por ele redigida e
algumas evidências das suas concepções sobre os cientistas e o
empreendimento científico obtidas através da discussão, durante as
entrevistas, dos diferentes aspectos do enredo da história.
O caso de Jaime: “Deve haver cientistas assim, um pouco... fora do
normal”
Jaime fez 17 anos durante o ano lectivo em que decorreu o estudo. Concluiu
o 11º ano sem qualquer classificação inferior a 10, obteve 11 valores (em 20
possíveis) à disciplina de Ciências da Terra e da Vida e uma média geral de
10,9 valores. De acordo com as suas próprias palavras, a dedicação completa
do seu tempo livre ao treino e à prática do decatlo não lhe permite obter
classificações mais elevadas. Quase todas as suas energias são canalizadas
para a actividade desportiva, onde tem obtido bons resultados, tanto no papel
de atleta como no papel de juiz em provas nacionais e internacionais. Espera
conseguir ingressar na Faculdade de Motricidade Humana através do
217
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 5 Nº 2 (2006)
contingente reservado aos atletas de alta competição. Logo, acredita que o seu
futuro profissional estará, de alguma forma, associado ao desporto.
O seu gosto especial pelo filme Dr. Jekyll e Mr. Hyde levou-o a incluir
elementos deste enredo na sua história de ficção científica. Não obstante,
apesar de ter recorrido a estes elementos com o objectivo de criar um clima de
terror, este aluno admite na entrevista a possibilidade de serem realidade.
Logo, como se verá de seguida, alguns dos elementos utilizados na sua história
não são simples ficção anedótica, correspondendo a opiniões reais sobre os
cientistas e a sua actividade.
Jaime considera que as disciplinas de ciências naturais permitem: a) a
aprendizagem de conhecimentos “básicos” necessários à compreensão “do
mundo em que vivemos”; e b) a motivação dos alunos para carreiras
profissionais na área da ciência. Avalia as suas aulas de ciências naturais em
função dos temas abordados e das actividades propostas pelos professores,
atribuindo uma avaliação positiva às actividades laboratoriais (nomeadamente,
com recurso ao microscópio) ou de discussão sobre temas de Biologia e uma
avaliação negativa às aulas de Geologia ou baseadas exclusivamente no
discurso do professor. Sente que o teor dinâmico das actividades laboratoriais
e das discussões tem um impacto positivo na sua motivação e,
consequentemente, na aprendizagem dos temas em questão.
Aprecia os professores de ciências exigentes, dinâmicos e com sentido de
humor, que apresentam os conteúdos programáticos de uma forma
interessante e em constante diálogo com os alunos. Pelo contrário, não gosta
dos professores que se limitam a “despejar a matéria como se chegassem à
aula e ligassem um gravador”. Reconhece, com algum pesar, que muitos
professores remetem os alunos para um papel passivo, de simples ouvintes de
um discurso centrado em conteúdos de interesse ou aplicação pouco evidentes.
A História de Ficção Científica: “O Monstro”
Esta história passa-se nos nossos tempos. E é baseada na ciência de clonar,
ou seja, clonagem. Também é baseada na transferência de informação
genética.
Numa noite chuvosa um cientista chamado Franklin fazia uma experiência
longe dos olhos da sociedade e dos seus outros colegas de trabalho. Franklin
era conhecido como um cientista excêntrico e talvez até um pouco maluco.
A sua experiência consistia na transferência do seu código genético para
uma criatura inanimada. Esta experiência era muito perigosa, podendo pôr
em risco a vida de Franklin.
Passados três dias nada se ouvia de Franklin, nem no trabalho nem em casa
da sua mãe onde ele ainda vivia com 48 anos. Sua mãe preocupada vai ao
sítio onde ele costumava refugiar-se quando ficava melancólico, triste ou
zangado. Para espanto da mãe apenas viu uma criatura horrível no chão e
uma grande máquina completamente destruída.
Semanas depois, andava uma criatura meio voadora e meio homem a matar
gente na rua. O cientista Franklin tinha-se cruzado com um morcego e
tinha-se transformado numa coisa aterradora. Por fim, para proteger os
218
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 5 Nº 2 (2006)
cidadãos, esta criatura foi abatida pelo exército português. Nunca iremos
saber se Franklin era a criatura que foi abatida, a que estava morta no seu
laboratório ou se era as duas em simultâneo.
As concepções sobre os cientistas e o empreendimento científico
Quando questionado acerca do enredo da sua história de ficção científica,
Jaime admite a possibilidade de existirem cientistas loucos e excêntricos que
trabalham “longe dos olhos da sociedade e dos seus colegas de trabalho”:
“cientistas assim um pouco... fora do normal”. Acredita e concorda que o
Estado financie e mantenha o secretismo de projectos de investigação
perigosos e eticamente questionáveis:
“É que se o Estado também dissesse tudo a toda a gente, era um bocado
chato, podia haver revoltas, os apoiantes dos animaizinhos... assim dessas
coisas.” (EA)
No entanto, considera que, “na maior parte dos casos, os cientistas não são
loucos, nem excêntricos”, apenas “gostam de procurar coisas novas e, por
vezes, podem ser vistos como pessoas estranhas” (EA). Está convencido que
os cientistas se preocupam em “ajudar o ambiente, ajudar o ser humano, e
não em destruí-lo”; logo, na sua opinião, um cientista:
“é uma pessoa que procura coisas novas, que tenta ajudar acima de tudo, e
que não se deixa ficar pelas aparências, tenta ir até ao pormenor. (...) Não
pode ser superficial, tem que ser um pouco lutador e um pouco casmurro
também para não se deixar ficar pelas aparências”. (EA)
Embora tivesse sido solicitada a redacção de uma história que retratasse a
actividade de um grupo de cientistas, Jaime compôs um enredo sobre o
trabalho individualista e isolado de um único cientista. Quando convidado a
explicar esta opção, confessa que a mesma se deveu à sua falta de imaginação
e à consequente adopção de um enredo semelhante ao do filme Dr. Jekyll e
Mr. Hyde exibido pela televisão. Reconhece que muitos avanços científicos e
tecnológicos só são possíveis graças às ideias e às propostas de muitos
cientistas.
Na descrição das metodologias utilizadas pelos cientistas, este aluno
evidencia uma concepção experimental-indutiva da investigação científica,
limitando-a a uma actividade repetitiva de pesquisa faseada, envolvendo
análise de observações, formulação de hipóteses, experimentação e obtenção
de conclusão, que tem por objectivo “o conhecimento absoluto de algo”
(conforme refere durante a entrevista). Esta ideia é frequentemente veiculada
nas aulas de CTV e de Técnicas Laboratoriais de Biologia, onde esta estrutura
algorítmica é proposta para a realização de actividades laboratoriais e a
estruturação dos respectivos relatórios. A associação da actividade científica à
experimentação também é evidente quando Jaime define teoria como uma
hipótese ou uma opinião, reconhecida como plausível depois de aprofundada e
testada experimentalmente, mas passível de reformulação mediante o
aparecimento de novos dados. De acordo com McComas (2000), os alunos são
encorajados, ao longo da escolaridade, a associar a ciência à experimentação:
219
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 5 Nº 2 (2006)
quase todas as actividades práticas realizadas nas aulas de ciências são
designadas “experiências”, mesmo quando deveriam ser denominadas, de
forma mais correcta, “procedimentos técnicos”, “explorações” ou “actividades”.
No entanto, as verdadeiras experiências envolvem procedimentos cuidadosos,
acompanhados de grupos experimentais e de controlo, tendo como principal
finalidade o estabelecimento de uma relação de causa-efeito. McComas (2000)
reconhece a verdadeira experimentação como uma ferramenta útil em ciência,
mas realça a existência de outros caminhos para o conhecimento. Para reforçar
a sua ideia, identifica alguns cientistas de renome cujo trabalho se baseou em
técnicas não-experimentais, nomeadamente Copérnico, Kepler e Darwin.
Durante a entrevista, reflectindo sobre o futuro da ciência e da tecnologia,
Jaime manifesta-se confiante mas cauteloso. Reconhece a contribuição valiosa
destes empreendimentos, em constante evolução, para a resolução dos
problemas que afectam o planeta Terra mas alerta para a necessidade de se
evitarem alguns erros do passado, relacionados com efeitos colaterais
imprevistos de grave impacto ambiental. À semelhança de outros alunos de
vários países e níveis de ensino, Jaime possui uma concepção utilitária da
ciência: identifica o objectivo da ciência mais com a produção de artefactos
destinados a resolver problemas da Humanidade do que com a produção de
conhecimento (Aikenhead, 1987; Driver, Leach, Millar e Scott, 1996).
O caso de Rosa: “Não foi por querer que escrevi acerca de um
cientista homem. Calhou... Geralmente, ouve-se isso”
Rosa fez 18 anos durante o ano em que decorreu a investigação (ficou
retida um ano no 11º ano por ter reprovado a Ciências da Terra e da Vida).
Terminou o ano escolar com duas classificações inferiores a 10 (uma das quais
à disciplina de Ciências da Terra e da Vida: 9 valores) e uma média global de
10,7 valores. Nos seus tempos livres prefere ouvir música, jogar corfball e ler.
Gostaria de vir a ser farmacêutica, mas receia não conseguir média para
ingressar nesse curso. O seu interesse por OVNIs (Objectos Voadores Não
Identificados) levou-a a seleccionar este tema para a sua história de ficção
científica. Para a construção do enredo baseou-se “em filmes e informações
recolhidas na Internet” (EA).
De acordo com a aluna, a utilidade das disciplinas de ciências naturais
consiste na aprendizagem de conhecimentos interessantes e úteis sobre a vida
e o planeta Terra. No entanto, durante a entrevista, foi incapaz de exemplificar
ou explicar a utilidade desses conhecimentos, o que poderá indiciar alguma
falta de preocupação dos seus professores em evidenciarem a relevância social
dos conteúdos abordados nas aulas.
Na opinião de Rosa, as actividades mais adequadas à aprendizagem desses
conteúdos são: “fazer exercícios, observar experiências e ver acetatos para
que os alunos possam visualizar melhor os assuntos que estão a ser
estudados” (EA). Ao longo da entrevista, depreende-se que esta aluna não
conhece outro tipo de actividades: as suas aulas de ciências naturais têm-se
restringido ao discurso do professor, à leitura do manual escolar, à resolução
de questionários e, muito raramente, à observação de algum fenómeno ou
220
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 5 Nº 2 (2006)
estrutura. Logo, é incapaz de sugerir qualquer tipo de metodologia alternativa.
Na melhor das hipóteses, espera que os seus professores tenham “muitos
conhecimentos” e consigam “dar aulas dinâmicas” com “exemplos lógicos” e
“sínteses no final (...) para que os alunos captem bem a matéria”. De acordo
com Lock (2002), a utilização excessiva de aulas expositivas pelos professores
induz os alunos a associarem as aulas de ciências a estilos particulares de
ensino e de aprendizagem, considerados adequados à “transmissão” de
grandes quantidades de informação. Também a forma restrita como o trabalho
prático é utilizado, envolvendo a utilização de um único método na obtenção
da “resposta certa” (ou seja, na “confirmação” de conteúdos previamente
abordados), contribui para a construção de uma imagem de aprendizagem das
ciências limitada à memorização de conteúdos. O referido autor considera que
os professores de ciências se preocupam mais em dizer aos alunos o que
devem saber e pensar do que em proporcionar-lhes oportunidades para pensar
e discutir.
Rosa avalia positivamente o trabalho dos seus professores, atribuindo a
responsabilidade do seu actual insucesso na disciplina de Ciências da Terra e
da Vida exclusivamente a si própria. Uma ideia negativa acerca das suas
capacidades intelectuais leva-a a excluir a possibilidade de vir a ser cientista. O
facto das suas aulas de ciências naturais nunca terem divergido de um padrão
meramente expositivo (independentemente dos professores, dos níveis de
escolaridade e das disciplinas), induz esta aluna a aceitar, como perfeitamente
natural e adequado, este tipo de abordagem.
A história de ficção científica: “O que será?”
Era eu pequeno e gostava muito de ouvir histórias. Mais tarde, quando
comecei a interessar-me pela leitura e a entender melhor determinados
assuntos, adorava ouvir e ler histórias de ficção científica, principalmente
sobre OVNIs [Objectos Voadores Não Identificados] e Extraterrestres.
Assim, comecei a estudar sobre este assunto com a intenção de mais tarde
vir a ser cientista.
Uma vez, houve um amigo do meu Pai que contou que um certo dia em que
ele se deslocava para o Porto, já um pouco tarde, deparou com um foco de
luz branca muito intensa, do lado esquerdo da sua viatura a qual seria de
um objecto que se movia de um lado para o outro e que o perseguiu cerca
de 50 kms. Este amigo do meu Pai ficou muito assustado com o que tinha
visto.
Ao ouvir esta história, apesar de ser real, não acreditei muito, mas acabei
por me interessar, pelo facto desta falar sobre um assunto que me dizia
algo, e por estar a ouvir o testemunho de uma pessoa que me fazia lembrar
os livros que lia. O tempo foi passando, eu cresci, estudei e acabei por tirar
um curso de investigação científica que era o meu grande desejo.
Entretanto, estudo e investigo todos os problemas relacionados com OVNIs,
leio muito sobre esta matéria, vou a debates, conferências, faço pesquisas
sobre o assunto, falo com pessoas que entretanto passaram por
experiências idênticas à do amigo do meu Pai, e penso que começo a
221
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 5 Nº 2 (2006)
acreditar um pouco em todas as histórias que contam. Agora que investigo
todas estas situações um pouco estranhas que se passam um pouco por
todo o mundo, quando me desloco a certos locais, com um grupo de colegas
de profissão, onde se deparou com uma situação deste tipo, tento ter muito
cuidado com tudo o que me rodeia, para que nenhum pormenor por muito
pequeno que seja me escape. Tudo isso é registado através de uma
máquina fotográfica, no bloco de apontamentos, que é algum do material
que nos acompanha nessas pesquisas, assim como uma fita métrica,
binóculos, caixas para recolha de amostras, algumas máquinas muito caras
e sofisticadas.
Certo dia tive de me deslocar aos Açores para investigar mais uma situação
relacionada com OVNIs. Ia no avião a caminho do arquipélago dos Açores,
lendo um livro cuja história se baseava em factos reais: ‘em 31 de Janeiro
de 1968, um homem de 36 anos encontrava-se de guarda a instalações
militares, a ouvir um relato de futebol, quando, de repente, o rádio deixou
de transmitir o que o levou a desligar o aparelho. Entretanto, ouviu um
zumbido cujo som vinha do local onde estivera anteriormente e ao olhar
para o mesmo avistou um “veículo” de aspecto estranho a aproximar-se,
com uma intensa claridade. Muito assustado, pediu ajuda pelo
intercomunicador. De seguida foi buscar uma lanterna e reparou que, a
luminosidade saía de um veículo oval metálico que culminava numa torre de
vidro com pequena balaustrada onde se encontravam dois seres. Assim que
o homem aproximou o foco para os seres que lá se encontravam, o veículo
moveu-se muito rapidamente, e nesse momento o homem teve uma
estranha sensação, como que uma poeira descera sobre ele, e desmaiou.’
Ao acabar de ler a história, preparava-me para dormir um pouco, quando de
repente através da janela vejo na minha direcção um foco de luz branca. O
piloto que tinha presenciado o mesmo pensou tratar-se de um avião em rota
de colisão, gritando para a torre de controlo: “Vem um avião contra nós”.
De pronto, iniciou uma volta para a direita, afastando-se do objecto.
Entretanto, os controladores do aeroporto observaram através de binóculos
e constataram tratar-se de um OVNI. Os tripulantes tiveram a sensação de
que este esteve parado em frente do avião cerca de 2 a 3 minutos. Após ter
cruzado a rota do avião, da direita para a esquerda, constatou-se que se
dirigia no sentido sul para norte, era escuro, emitindo das extremidades
luzes intermitentes do tipo “flash”, enquanto a parte frontal tinha a forma
mais ou menos de um dedo, ligeiramente curvado, possuindo no rebordo
uma espécie de dentes e nesse momento a sua coloração era
amarela-avermelhada.
Neste momento de susto e de grande emoção para mim, tirei imensas
fotografias, o que foi esplêndido para o trabalho que ando a efectuar e
também para a minha carreira. Esta irá certamente ser a minha primeira
história, entre outras que se seguirão, que com mais experiência irei
observar.
Como cientista e investigador, coube-me estudar os solos onde estes
objectos não identificados terão estado, as zonas mais propícias para estes
factos poderem acontecer e a partir destes conhecimentos que se vão
222
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 5 Nº 2 (2006)
obtendo, começo a ter a percepção dos locais onde poderei encontrar os
sítios certos para a minha investigação. O meu objectivo como cientista e
investigador é procurar e obter novas situações, para além de identificar os
locais mais propícios onde os OVNIs andam, principalmente encontrar algo
que nunca tenha sido visto e com tais coisas fazer experiências acerca do
assunto.
Um facto curioso é que, após a observação do OVNI retratado
anteriormente, o campo magnético terrestre sofreu variações sensíveis,
como pude constatar no Instituto de Geofísica. E é este tipo de informações
que eu como cientista devo procurar saber cada vez mais.
As concepções sobre os cientistas e o empreendimento científico
Um aspecto interessante desta história de ficção científica é o facto de,
apesar de ter sido escrita por uma rapariga, o seu enredo se centrar num
cientista do sexo masculino. De acordo com Rosa, esta opção não foi
propositada e acabou por reflectir uma ideia frequentemente utilizada em
argumentos de filmes de ficção científica: “Não foi por querer (...). Calhou...
Geralmente, ouve-se isso”. Mais uma vez se obtêm evidências da importância
dos media na construção de uma concepção estereotipada relativamente ao
género dos cientistas. No entanto, a responsabilidade por esta concepção
deverá ser, forçosamente, partilhada com a escola: a quase totalidade dos
cientistas referidos nos currículos, nos manuais escolares e nas aulas de
ciências naturais em Portugal é do sexo masculino.
Rosa considera que o cientista distingue-se do resto da população por
demonstrar maior interesse e trabalhar árdua e meticulosamente em áreas
relacionadas com “as novas tecnologias”. Identifica, frequentemente, a ciência
com a produção tecnológica e associa a actividade do cientista à recolha
cuidadosa de pormenores (sobre as questões em estudo), através da utilização
de maquinaria e instrumentos diversos, por vezes, extremamente caros e
sofisticados. Afirma que dificilmente conseguiria ser cientista porque se
considera incapaz de tamanha dedicação. Todas estas ideias acerca do
cientista e da sua actividade integram um conjunto de estereótipos comum
entre os alunos e veiculado pelos meios de comunicação social, nomeadamente
por filmes e desenhos animados (Fort e Varney, 1989).
Ao longo da entrevista, esta aluna revelou poucos conhecimentos sobre o
empreendimento científico, nomeadamente dos contextos e dos processos de
produção e validação da ciência. Esta situação poderá evidenciar um ensino
das ciências naturais que, centrado quase exclusivamente nos produtos da
ciência, remete para um plano insignificante qualquer tipo de reflexão sobre a
natureza da ciência e as inter-relações entre ciência, tecnologia e sociedade.
Quando os alunos aprendem sobre o que se conhece, sem aprenderem
também como se chegou a esse conhecimento, elimina-se a oportunidade dos
alunos compreenderem as dinâmicas sociais, cognitivas e epistémicas da
ciência (Duschl, 2000).
Rosa descreve a investigação científica como um processo de pesquisa
interessante e complexo, que conduz à construção de teorias através da
223
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 5 Nº 2 (2006)
acumulação de evidências experimentais (resultantes de observação): a
recolha e a análise de vários dados isolados permitem que as hipóteses
assumam o estatuto mais “fixo” de teorias. No entanto, acredita que as teorias
podem sofrer alterações, em consequência da obtenção de novas evidências de
natureza experimental. Esta opinião é coincidente com a da maioria dos
participantes de outros estudos, segundo os quais aquelas alterações resultam
da obtenção de novos dados através da utilização de mais e melhores
instrumentos de observação e medida (Acevedo, 1992; Aikenhead, 1987).
Relativamente ao futuro da ciência e da tecnologia, admite a possibilidade de
surgirem aspectos positivos (“descobertas” com impacto na melhoria das
condições de vida) e negativos (poluição e outros efeitos colaterais adversos),
tudo dependendo das opções efectuadas pelos cientistas e pelos cidadãos.
O caso de Sofia: “A ciência não é uma exclusividade dos cientistas,
afecta toda a sociedade e, portanto, as pessoas têm que estar bem
informadas para poderem fazer uma opção”
Sofia fez 17 anos durante o ano em que decorreu a investigação. Concluiu o
11º ano com a classificação de 18 valores na disciplina de Ciências da Terra e
da Vida e com 17,2 valores de média geral. Nos seus tempos livres gosta de
ler, de ver televisão e de ir ao cinema. Até há um ano atrás, pertenceu a um
agrupamento de escuteiros mas teve de abandonar esta actividade por falta de
disponibilidade de tempo. Não sonha com profissão alguma; apenas pretende
que, de algum modo, o seu futuro profissional se relacione com matemática.
Também não consegue identificar as razões da opção pelo tema ou pelo
enredo da sua história de ficção científica: “Não foi por nenhuma razão em
especial. Não sei explicar... Saiu e pronto” (EA). Contudo, são perceptíveis
semelhanças com filmes exibidos pela televisão portuguesa.
Sofia atribui um papel de relevo ao ensino das ciências na formação de
todos os cidadãos. Considera que os conhecimentos de ciências naturais são
indispensáveis à compreensão do mundo e ao funcionamento e
desenvolvimento da sociedade e, como tal, devem integrar a cultura de
qualquer pessoa.
Ao longo da sua escolaridade, tem apreciado as suas aulas de ciências
naturais em consequência, fundamentalmente, da diversidade e da relevância
dos temas abordados. Avalia positivamente os seus professores de ciências
naturais mas lamenta o carácter exclusivamente expositivo e muito repetitivo
das aulas implementadas por alguns deles. Na sua opinião, a aula de ciências
ideal resulta da combinação de componentes teóricas e práticas e de vários
factores, nomeadamente: “o professor saber cativar os alunos; haver um certo
ritmo na aula; não ser muito monótono; não ser só despejar matéria” (EA).
Acredita que aprende melhor quando os professores: (1) utilizam uma
metodologia diversificada integrando “aulas teóricas e aulas práticas como, por
exemplo, aulas experimentais, actividades de discussão sobre temas
controversos e visitas de estudo”; e (2) explicam a “aplicação” e a relevância
dos conteúdos abordados. Sente que as actividades práticas facilitam a
224
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 5 Nº 2 (2006)
aprendizagem pelo facto de “serem mais interessantes” e permitirem a
visualização dos conteúdos programáticos.
Apesar de ter pouca experiência na discussão de assuntos controversos nas
aulas de ciências naturais, Sofia tem uma opinião muito favorável acerca
destas actividades. Na disciplina de CTV, do 11º ano, realizou, pela primeira
vez, uma actividade de pesquisa e discussão em grupo acerca de um tema
controverso relacionado com genética. Para além de ter apreciado bastante a
forma como decorreu a actividade, atribui-lhe potencialidades: (1) na
aprendizagem de conhecimentos relacionados com as temáticas em discussão;
(2) na construção de opiniões sobre esses temas; e (3) na promoção de
capacidades de pensamento necessárias à avaliação crítica das propostas de
investigação e desenvolvimento provenientes da comunidade científica.
“Eu pessoalmente gosto muito, são as minhas aulas preferidas! (...) Acho
que para além de desenvolver a nossa capacidade argumentativa, faz-nos
pensar sobre os assuntos, e isso também é importante. Permite-nos pensar
e também entrar em diálogo uns com os outros, e também desenvolver o
nosso espírito crítico acerca dos assuntos. (...) Foi um trabalho interessante
com o qual aprendi muito e que gostei de fazer.” (EA)
Sofia lamenta que, até ao 11º ano de escolaridade, a reflexão sobre temas
controversos se tenha limitado às aulas de filosofia, restringindo a quantidade
e a qualidade de informações disponíveis acerca de questões actuais, como a
clonagem ou a engenharia genética. Nos anos anteriores, os seus professores
de ciências nunca propuseram a discussão de qualquer tema polémico.
Na opinião da aluna, a televisão e as revistas representam as principais
fontes de informação sobre estas temáticas. No entanto, afirma que a
informação disponibilizada pelos meios de comunicação social nem sempre é
esclarecedora e, por esse motivo, realça a importância das aulas de ciências
naturais no esclarecimento dos alunos acerca de temas polémicos actuais
relacionados com ciência e tecnologia. Sofia está convicta da importância do
ensino das ciências na promoção dos conhecimentos, das capacidades e das
atitudes necessários à participação dos cidadãos em processos decisórios sobre
questões científicas e tecnológicas.
A história de ficção científica: “Viagem ao futuro”
Muitos dos erros que o homem tem cometido ao longo da sua existência
foram causados pela sua falta de bom senso e pela sua excessiva ambição.
E se o homem conseguisse viajar no tempo e observar no futuro, quais os
efeitos e consequências dos seus actos? Que impacto teve determinada
decisão? Como fomos todos nós afectados por ela? Certamente que não me
refiro a questões pessoais mas sim universais. Talvez assim o homem não
cometesse erros que nos afectam a todos no presente ou talvez
futuramente.
Estamos no ano 2902, onde questões como o aborto, alimentos
transgénicos, etc, foram completamente ultrapassadas e de um certo modo
esquecidas pois tornaram-se factores presentes na nossa sociedade.
225
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 5 Nº 2 (2006)
Estamos numa era em que os computadores tomam quase por completo o
lugar do homem.
Hoje em dia a clonagem humana também é utilizada não só para
transplantes de órgãos mas também para a clonagem de seres humanos
fortes e capazes de vigiar e deter os criminosos actuando assim como uma
verdadeira força policial pública, assegurando a paz e o sossego de algumas
cidades. Os autores desta ideia foram quatro conceituados cientistas que
vivem nos Estados Unidos da América. Esta equipa sempre se dedicou a
utilizar a ciência para benefício da sociedade. Eles chamam-se Paul, James,
Robin e Mary (é verdade... uma mulher). Esta brilhante equipa inicialmente
começou por clonar para esta missão pessoas que de algum modo se
distinguiram por coragem e bravura. Seguidamente a ambição falou mais
alto e o desejo de criar um ser em tudo superior levou os cientistas a
conduzirem uma meticulosa pesquisa e estudo sobre a melhor forma de
conseguirem atingir o seu objectivo. Após muito tempo de investigações e
de morosas, complicadas e perigosas experiências os cientistas conseguiram
chegar a um processo que realizado com o devido material futurista à
disposição conduziria à criação de uma força especial. A questão foi debatida
mundialmente
pois
sem
a
aprovação
de
entidades
superiores
nomeadamente o governo e outros não se poderia avançar com a proposta.
Felizmente (ou não) a proposta foi aprovada e os cientistas deitaram mãos à
obra e concretizaram a sua tarefa.
Inicialmente tudo corria muito bem pois finalmente, após muitos séculos de
esperança para que tanta violência parasse, o homem conseguiu criar
alguma ordem nas cidades. As pessoas voltavam então a sair à rua sem
medos. O ser humano coexistia com a máquina de uma forma
assustadoramente natural.
Tudo isto aconteceu até ao dia em que os seres criados por esse grupo de
cientistas se viraram contra o ser humano! Alguns cientistas juntaram-se
imediatamente de modo a tentarem encontrar uma solução para a
catástrofe que estava a acontecer mas em vão. A ambição dos cientistas
não permitiu que se certificassem que se algo do género acontecesse eles
estariam prevenidos com alguma solução. Estes, depois de muito pensarem,
embora estando sob pressão, chegaram a uma conclusão: a única solução
para ultrapassar esta calamidade e salvar a espécie humana seria introduzir
no seu DNA genes de forma a se tornarem mais fracos e assim mais
facilmente poderiam ser eliminados. E foi o que toda a equipa de cientistas
fez e felizmente de uma forma bem sucedida. Desta forma, as forças de
protecção especiais da cidade tinham desaparecido. O homem conseguia
agora voltar à sua vida normal.
Assim, só nos resta esperar que questões como a clonagem sejam bem
ponderadas e que reflictamos muito bem sobre elas, pois são questões
polémicas onde as vantagens podem não compensar as desvantagens e
vice-versa. Não devemos deixar que a ambição do homem fale mais alto,
pois não devemos esquecer que existe certo poder que se cai nas mãos
erradas poderá ter consequências muito graves no destino da humanidade.
226
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 5 Nº 2 (2006)
As concepções sobre os cientistas e o empreendimento científico
Tanto o enredo da história de ficção científica redigida por Sofia como o teor
da sua entrevista evidenciam uma grande preocupação com os efeitos
catastróficos resultantes de eventuais utilizações irreflectidas ou abusivas da
ciência e da tecnologia, motivadas pela “falta de bom senso” e pela “excessiva
ambição” dos seres humanos. De acordo com esta aluna, tanto a ciência como
a tecnologia apresentam duas faces: uma “benéfica”, contribuindo “para o
nosso bem-estar e, por vezes, para o nosso desenvolvimento como seres
humanos” (EA); outra “prejudicial”, desencadeando efeitos indesejáveis e
imprevistos no ambiente e na sociedade.
“Quanto à tecnologia e à ciência penso que tanto são benéficas como
prejudiciais: há aspectos em que a sua utilização é necessária, há outros em
que elas nunca deveriam ter sido usadas.” (EA)
Relativamente ao futuro dos empreendimentos científico e tecnológico, Sofia
manifesta-se, simultaneamente, confiante e receosa:
“Acho que as coisas estão a progredir cada vez mais, mas tenho um bocado
de receio até onde é que o homem pode avançar, sinceramente. Mas acho
que vai trazer coisas muito boas, claro que sim. Vai melhorar as nossas
condições de vida, até a nível de doenças e não só. Estamos a descobrir
muitas curas, e nesse campo pode melhorar significativamente. Agora
noutros campos como, por exemplo, a clonagem, embora eu não tenha
assim uma opinião muito definida, acho que temos que pensar muito bem
antes de avançar.” (EA)
Perante as fortes repercussões sociais suscitadas por alguns avanços
científicos e tecnológicos recentes (como, por exemplo, a clonagem), esta
aluna considera indispensável a participação dos cidadãos na avaliação das
potencialidades e dos perigos associados às opções de investigação e
desenvolvimento. Acredita que todos os cidadãos, sem excepção, devem estar
suficientemente informados sobre estas temáticas de forma a poderem reflectir
e tomar decisões informadas e conscientes. Na sua opinião, as opções
científicas e tecnológicas afectam toda a sociedade e, como tal, não devem ser
da responsabilidade exclusiva dos cientistas (apesar de lhes atribuir um papel
relevante, em virtude dos conhecimentos especializados sobre estas
questões):
“Só nos resta esperar que questões como a clonagem sejam bem
ponderadas e que reflictamos muito bem sobre elas, pois são questões
polémicas onde as vantagens podem não compensar as desvantagens e
vice-versa.” (HFC)
“Hoje em dia a ciência não é uma exclusividade dos cientistas, afecta toda a
sociedade, e portanto acho que isso não é uma decisão que tenha que partir
só deles. Eu acho é que as pessoas têm que estar bem informadas acima de
tudo para poderem fazer uma opção. Porque nós, sem sabermos aquilo que
estamos a escolher, não faz sentido nenhum estarmos a votar. (...) Claro
que as pessoas que entendem mais do assunto devem ter um voto mais
227
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 5 Nº 2 (2006)
forte. Mas acho que toda a gente deve ter a sua opinião acerca do assunto,
como no caso do aborto, por exemplo.” (EA)
Vários autores (Duschl, 2000; Millar e Osborne, 1998) acreditam que a
participação dos cidadãos em processos decisórios relacionados com questões
científicas e tecnológicas depende da compreensão das dinâmicas sociais,
cognitivas e epistémicas da ciência. Logo, consideram imprescindível um
ensino das ciências que promova a reflexão sobre a natureza da ciência e as
inter-relações entre ciência, tecnologia e sociedade. No entanto, este tipo de
reflexão parece não ter ocorrido nas aulas de ciências naturais de Sofia. Ao
longo da entrevista, esta aluna reconheceu falta de conhecimentos sobre a
natureza da ciência, nomeadamente sobre os processos de produção e de
validação da ciência (temas que afirma nunca terem sido abordados nas suas
aulas de ciências). Consequentemente, sente bastante dificuldade em
pronunciar-se acerca destes assuntos.
Descreve a investigação científica como um processo que permite o “avanço
da tecnologia e do conhecimento acerca do mundo e dos seres humanos” e
define teoria como “uma hipótese elaborada por alguém acerca de um
determinado assunto” (EA) que, apesar de “fundamentada”, pode ser refutada.
Acredita que o carácter provisório das teorias impede o seu reconhecimento
como lei ou conhecimento científico. À semelhança de muitas pessoas de
diferentes idades e nacionalidades (McComas, 2000; Ryan e Aikenhead, 1992;
Vázquez e Manassero, 1997), Sofia pensa que só através da acumulação de
evidências (na sua maioria, provenientes de experimentação) as hipóteses
poderão ascender ao estatuto de leis estabelecidas, mais fiáveis. Esta aluna
desconhece que teorias e leis são tipos diferentes de conhecimento e não
diferentes formas do mesmo conhecimento: as leis constituem generalizações
ou padrões detectados na natureza; as teorias são explicações dessas
generalizações. Apesar da relação existente, umas não se transformam nas
outras, independentemente da quantidade de evidências empíricas
acumuladas.
Na opinião de Sofia, os cientistas evidenciam diversas qualidades:
objectividade, humildade, espírito crítico e metódico. A noção do cientista
como pessoa extremamente objectiva é uma concepção frequente entre os
alunos e a população, em geral (McComas, 2000).
“Um cientista, é uma pessoa que investiga certos fenómenos que nos
rodeiam, ou tenta procurar explicação para alguns fenómenos. Tem que ter
um espírito objectivo, tem que ser crítico em relação àquilo que descobre,
metódico acima de tudo, e também tem que ser humilde porque tem que ter
capacidade para ver que aquilo que descobre, se calhar não está assim tão
certo como ele pensa.” (EA)
Contudo, os cientistas não são diferentes de outros profissionais no que
respeita ao seu nível de objectividade. Como todas as pessoas, possuem uma
constelação de ideias prévias acerca do mundo que afectam a forma como eles
observam e interpretam os fenómenos. Para além disso, os cientistas de cada
área disciplinar partilham uma tradição investigativa (designada paradigma)
228
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 5 Nº 2 (2006)
que (1) proporciona indicações sobre as questões dignas de serem
investigadas, (2) determina os dados considerados admissíveis e (3) prescreve
as metodologias consideradas aceitáveis (Kuhn, 1970). Este paradigma fornece
orientação para a investigação, confinando-a a determinadas práticas
consideradas aceitáveis e, consequentemente, limitando a objectividade.
Geralmente, as ideias exteriores ao paradigma são consideradas pouco
científicas e, como tal, rejeitadas.
Esta ideia de ciência como empreendimento objectivo continua a ser
veiculada nas aulas de ciências. Frequentemente, os professores ignoram os
conhecimentos prévios dos alunos e pretendem que as suas conclusões,
obtidas a partir de determinadas observações, sejam, simultaneamente,
evidentes e coincidentes. Contudo, isto só aconteceria se todos partilhassem
exactamente as mesmas concepções prévias e os mesmos esquemas de
observação, o que é completamente impossível.
A história de ficção científica redigida pela aluna evidencia, ainda, a
concepção de uma actividade científica dominada por cientistas do sexo
masculino e de nacionalidade americana. No enredo da história, o facto da
equipa de cientistas integrar um elemento do sexo feminino é apresentado
como algo invulgar. Quando questionada acerca deste aspecto do enredo,
Sofia confirma a sua convicção numa ciência dominada por homens e
justifica-a com a inexistência de referências a cientistas do sexo feminino nas
aulas de ciências e em muitos filmes de ficção científica. Várias investigações
têm: (1) revelado a frequência desta concepção entre os alunos de diferentes
idades e nacionalidades; e (2) evidenciado o papel relevante dos meios de
comunicação social e da escola na veiculação desta ideia (Aikenhead, 1988;
Matthews e Davies, 1999). Contudo, conforme referido pela própria aluna, não
se podem ignorar as grandes responsabilidades do ensino das ciências na
veiculação deste estereótipo. Por exemplo, o manual escolar de CTV utilizado
por Sofia, não faz qualquer referência a cientistas do sexo feminino.
Quanto à opção por um enredo centrado numa equipa constituída
exclusivamente por cientistas de nacionalidade americana, Sofia aponta-a
como involuntária; refere que o facto da maioria dos filmes de ficção científica
retratarem cientistas americanos poderá tê-la influenciado inconscientemente.
Contudo, apesar do reconhecimento da existência de cientistas de muitas
nacionalidades (nomeadamente, portugueses), parece evidente a ideia
implícita de que Portugal está longe de ser um país associado à investigação
científica (ao contrário dos Estados Unidos da América).
Considerações finais
O presente estudo ilustra as potencialidades da utilização conjunta de
histórias de ficção científica redigidas pelos alunos e de entrevistas na
identificação e discussão de concepções dos alunos acerca do empreendimento
científico e da actividade e características dos cientistas. As histórias de ficção
científica redigidas pelos alunos proporcionaram bastantes indícios relativos a
concepções dos alunos e às suas possíveis origens. Durante a entrevista, a
229
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 5 Nº 2 (2006)
discussão dos vários pormenores e indícios, incluídos em cada história,
permitiu a distinção entre os elementos ficcionados e as opiniões reais dos
alunos, facilitando o diagnóstico das concepções sobre as características dos
cientistas (cognitivas, morais e éticas), a actividade científica (objectivos;
locais onde decorre; metodologias e instrumentos utilizados; relações entre
cientistas) e as interacções entre ciência, tecnologia e sociedade (impacto
social da ciência e da tecnologia; controlo da investigação pela sociedade;
relações entre ciência e tecnologia; receio de eventuais efeitos secundários
indesejados decorrentes da inovação científica e tecnológica; entre outros
aspectos). Neste estudo, foi notória a satisfação dos alunos pelo facto de lhes
ter sido solicitada a redacção de uma história de ficção científica; algo que
dificilmente aconteceria com a aplicação de um questionário ou a realização
isolada de uma entrevista. As histórias desempenharam um papel fortemente
estimulador de discussão sobre os assuntos em estudo durante as entrevistas.
Constata-se que os alunos participantes neste estudo possuem uma opinião
favorável acerca dos empreendimentos científico e tecnológico e das
características e actividade dos cientistas. Acreditam que a grande finalidade
da ciência consiste na resolução dos problemas da humanidade e descrevem os
cientistas como pessoas dedicadas à evolução do conhecimento e à melhoria
das condições de vida da população. Contudo, manifestam-se apreensivos
relativamente a eventuais efeitos colaterais adversos das inovações científicas
e tecnológicas, realçando a necessidade da sociedade proceder à avaliação das
potencialidades e dos riscos dessas inovações. Temem que utilizações
irreflectidas ou pouco éticas do conhecimento científico e tecnológico, por parte
dos cientistas, possam desencadear catástrofes ambientais. Logo, apelam ao
envolvimento da população e do Estado na avaliação das diferentes linhas de
investigação e desenvolvimento propostas.
Este trabalho de investigação baseou-se no pressuposto de que a escola
pode e deve desempenhar um papel decisivo na promoção das competências
necessárias à participação activa dos cidadãos em processos decisórios
relacionados com opções de investigação e desenvolvimento. Tanto o exercício
da cidadania como a democraticidade da sociedade dependem do envolvimento
da população na avaliação das propostas de desenvolvimento científico e
tecnológico e das suas eventuais implicações sociais, económicas, políticas,
ambientais e éticas. Logo, pretende-se que a escolaridade básica proporcione a
qualquer cidadão os conhecimentos processuais e epistemológicos necessários
à compreensão da natureza e das dinâmicas da ciência. Contudo, conforme se
constatou através deste estudo, este objectivo não é alcançado em várias
aulas de ciências. Entre os alunos participantes, foi evidente a falta de
conhecimentos processuais e epistemológicos sobre a ciência, bem como a
existência de diversas ideias estereotipadas e deturpadas sobre as
características pessoais e a actividade dos cientistas. Esta situação parece ser
influenciada por diversos elementos, nomeadamente: a) as imagens
estereotipadas sobre os cientistas veiculadas pelos media; b) a ausência, nas
aulas de ciências, de qualquer tipo de reflexão crítica sobre as imagens de
230
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 5 Nº 2 (2006)
ciência divulgadas pelos meios de comunicação social; e c) as práticas de sala
de aula utilizadas pelos seus professores.
Algumas das concepções dos alunos sugerem influências de estereótipos e
cenários catastróficos (o cientista louco; o cientista perigoso e pouco
escrupuloso que trabalha, isolado e imerso no seu laboratório, em projectos
secretos e controversos; o cientista incapaz de controlar o resultado do seu
trabalho; e o cientista como profissional extremamente objectivo e dedicado)
divulgados por filmes, programas de televisão e livros, evidenciando,
simultaneamente, algumas limitações dos meios de comunicação social na
divulgação de temas científicos e tecnológicos e a ausência de discussão crítica
destes estereótipos nas aulas de ciências (confirmada pelos alunos durante a
entrevista). Estas influências dos media realçam a necessidade de realização
de actividades de discussão crítica, nas aulas de ciências, dos estereótipos
sobre a ciência e a tecnologia divulgados pelos meios de comunicação social.
Cabe aos professores assumirem um papel de medição entre os media e a
educação que permita: a) aproveitar as potencialidades educativas dos media,
motivando os alunos para questões científicas e tecnológicas, disponibilizando
informação socialmente contextualizada e promovendo a reflexão sobre as
interacções entre ciência, tecnologia, sociedade e ambiente; b) minimizar
efeitos adversos resultantes da veiculação de imagens estereotipadas e/ou
deturpadas acerca da actividade científica; e c) ajudar os seus alunos a
assumirem-se como espectadores críticos perante as propostas mediáticas a
que são expostos.
Da análise de algumas afirmações dos alunos durante as entrevistas,
depreende-se que a maioria das suas aulas de ciências naturais assume um
carácter expositivo, factual e monótono, sendo marcada pela ausência de
discussão sobre questões sociocientíficas recentes ou de outras actividades
práticas. Esta prática de sala de aula, para além de não incluir a abordagem
explícita de aspectos da natureza da ciência, acaba por veicular uma imagem
da ciência como conjunto de conhecimentos estáticos e definitivos onde não
existe lugar para a dúvida, a incerteza e a discussão.
Entre os alunos participantes foi notória a existência de conhecimentos
bastante rudimentares e muito pouco claros acerca da actividade científica, o
que evidencia a falta de intervenção da escola no ensino explícito de aspectos
processuais da ciência. O conjunto de concepções estereotipadas e a falta de
conhecimentos sobre os contextos e os processos de produção e validação da
ciência, evidenciados pelos alunos, salientam a necessidade de uma educação
científica menos factual e mais contextualizada – que não isole a ciência, a
tecnologia e os contextos sócio-culturais da sua produção – onde se possa
discutir criticamente a produção da ciência contemporânea com os seus
diferentes aspectos processuais e questões políticas, económicas, sociais,
ambientais e éticas que suscita.
A discussão em contexto de sala de aula dos enredos de histórias de ficção
científica redigidas pelos alunos – envolvendo perspectivas diversificadas sobre
a actividades científica – poderá constituir um catalizador bastante eficaz de
231
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 5 Nº 2 (2006)
reflexão sobre o empreendimento científico e de aprendizagem dos processos e
da epistemologia da ciência. Esta actividade poderá representar um elemento
importante num ensino que não se restrinja aos aspectos factuais e que inclua
os aspectos sociais da ciência associados a temas que os alunos consideram
actuais, interessantes e relevantes. Simultaneamente, as concepções
identificadas através da redacção e discussão de histórias de ficção científica
assumem uma relevância didáctica considerável, permitindo aos professores:
a) detectar as dimensões que devem ser tratadas de forma explícita e com
maior persistência nas aulas de ciências naturais; e b) seleccionar actividades
específicas que contrariem os estereótipos através do contacto directo com
uma maior diversidade de cientistas e metodologias de investigação.
Agradecimentos
Este estudo foi desenvolvido com o apoio do Programa PRODEP (Medida 5).
Os autores agradecem aos alunos e professores que participaram neste
estudo.
Referências bibliográficas
Abd-El-Khalick, F., Bell, R. & Lederman, N. (1998). The nature of science
and instructional practice: Making the unnatural natural. Science Education,
82(4), 417-437.
Acevedo, J. (1992). Cuestiones de sociología y epistemología de la ciencia.
La opinión de los estudiantes. Revista de Educación de la Universidad de
Granada, 6, 167-182.
Aikenhead,
G.
(1987).
High
school
science-technology-society. 3: Characteristics
knowledge. Science Education, 71, 459-487.
graduates’
beliefs
about
and limitations of science
Aikenhead, G. (1988). An analysis of four ways of assessing student beliefs
about STS topics. Journal of Research in Science Teaching, 25(8), 607-629.
Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.
Bogdan, R., & Biklen, S. (1994). Investigação qualitativa em educação: Uma
introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto editora.
Cachapuz, A., Praia, J., Paixão, F. & Martins, I. (2000). Uma visão sobre o
ensino das ciências no pós-mudança conceptual: Contributos para a formação
de professores. Inovação, 13(2-3), 117-137.
Chambers, D. (1983). Stereotypic images of the scientist: The Draw-aScientist test. Science Education, 67, 255-265.
Driver, R., Leach, J., Millar, R. & Scott, P. (1996). Young people’s images of
science. Buckingham: Open University Press.
Duschl, R. (2000). Making the nature of science explicit. In R. Millar, J.
Leach & J. Osborn (Eds.), Improving science education: The contribution of
research (pp. 187-206). Buckingham: Open University Press.
232
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 5 Nº 2 (2006)
Fernández, I., Gil, D., Carrascosa, J., Cachapuz, A. & Praia, J. (2002).
Visiones deformadas de la ciencia transmitidas por la enseñanza. Enseñanza de
las Ciencias, 20(3), 477-488.
Fort, D. & Varney, H. (1989). How students see scientists: Mostly male,
mostly white, and mostly benevolent. Science and Children, 26(8), 8-13.
Freire Jr., O. (2003). O debate sobre a imagem da ciência – a propósito das
ideias e da acção de E. P. Wigner. In B. S. Santos (Ed.), Conhecimento
prudente para uma vida decente: ‘Um discurso sobre as ciências’ revisitado
(pp. 481-506). Porto: Edições Afrontamento.
Gil Flores, J. (1994). Análisis de datos cualitativos. Aplicaciones a la
investigación educativa. Barcelona: PPU.
Jenkins, E. (1996). The ‘nature of science’ as a curriculum component.
Journal of Curriculum Studies, 28(2), 137-150.
King, B. (1991). Beginning teachers’ knowledge of and attitude toward
history and philosophy of science. Science Education, 75(1), 135-141.
Kuhn, T. (1970). The structure of scientific revolutions. Chicago: The
University of Chicago Press.
Lakin, S. & Wellington, J. (1994). Who will teach the ‘nature of science?:
Teachers views of science and their implications for science education.
International Journal of Science Education, 16, 175-190.
Lederman, N. (1992). Students’ and teachers’ conceptions of the nature of
science: A review of the research. Journal of Research in Science Teaching, 29,
331-359.
Lewenstein, B. V. (2001). Who produces science information for the public?
In J. H. Falk (Ed.), Free-choice science education: How we learn science
outside of school (pp. 21-43). New York: Teachers College Press.
Lock, R. (2002). Ethics and evidence. In J. Wallace & W. Louden (Eds.),
Dilemmas of science teaching: perspectives on problems of practice (pp. 179182). London: Routledge/Falmer.
Matthews, B. & Davies, D. (1999) Changing children’s images of scientists:
can teachers make a difference? School Science Review, 80(293), 79-85.
McComas, W. F. (2000). The principal elements of the nature of science:
Dispelling the myths. In W. F. McComas (Ed.), The nature of science in science
education: Rationales and strategies (pp. 53-70). Dordrecht: Kluwer Academic
Publishers.
McComas, W., Clough, P. & Almazroa, H. (2000). The role and character of
the nature of science in science education. In W. McComas (Ed.), The nature of
science in science education: Rationales and strategies (pp. 3-39). Dordrecht:
Kluwer Academic Publishers.
Mead, M. & Métraux, R. (1957). Image of the scientist among high-school
students: A pilot study. Science, 126, 384-390.
233
Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias Vol. 5 Nº 2 (2006)
Mellado, V. (1997). Preservice teachers’ classroom practice and their
conceptions of the nature of science. Science Education, 6(4), 331-354.
Millar, R. & Osborne, J. (1998). Beyond 2000: Science education for the
future. London: Kings College.
Miller, J. (1991). The public understanding of science and technology in the
US: Report to the USNSF. Dekalb: National Opinion Research Center,
University of Chicago.
Nelkin, D. (1995). Selling science: How the press covers science and
technology. New York: W. H. Freeman and Company.
Pellechia, M. (1997). Trends in science coverage: a content analysis of three
US newspapers. Public Understanding of Science, 6, 49-68.
Reis, P. (2004). Controvérsias sócio-científicas: Discutir ou não discutir?
Percursos de aprendizagem na disciplina de Ciências da Terra e da Vida.
Lisboa: Departamento de Educação da Faculdade de Ciências da Universidade
de Lisboa. [Tese de doutoramento, documento policopiado].
Reis, P. e Galvão, C. (2004a). The impact of socio-scientific controversies in
portuguese natural science teachers’ conceptions and practices. Research in
Science Education, 34(2), 153-171.
Reis, P. & Galvão, C. (2004b). Socio-Scientific Controversies and Students'
Conceptions about Scientists. International Journal of Science Education,
26(13), 1621-1633.
Reis, P, Rodrigues, S. e Santos, F. (aceite para publicação). Concepções
sobre os Cientistas em Alunos do 1º Ciclo do Ensino Básico: “Poções,
Máquinas, Monstros, Invenções e outras Coisas Malucas”. Revista Electrónica
de Enseñanza de las Ciências. Disponível em http://www.saum.uvigo.es/reec/
Ryan, A. & Aikenhead, G. (1992). Students’ preconceptions about the
epistemology of science. Science Education, 76(6), 559-580.
Vázquez, A. & Manassero, M. (1997). Actitudes y valores relacionados con la
ciencia, la tecnología y la sociedad en alumnado y profesorado. Implicaciones
para la educación de las actitudes. Memoria final de investigación. Madrid:
MEC/CIDE.
234